Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
20/11/20 às 13h56 - Atualizado em 20/11/20 às 14h14

Ações de combate à dengue ocorrem todos os dias, em todo o DF

COMPARTILHAR

Vigilância Ambiental orienta que a população tire dez minutos por semana para inspecionar o quintal

 

JURANA LOPES

 

Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde DF

As ações de combate à dengue não param de acontecer. Todos os dias os agentes da Vigilância Ambiental percorrem as ruas do Distrito Federal para realizar inspeções e ações de combate ao mosquito Aedes aegypti.

 

Até a semana epidemiológica 45 (de 29/12/2019 a 7/11/20), foram notificados 46.145 casos prováveis de dengue de residentes no Distrito Federal, o que representa um acréscimo de 219 casos (0,47%) em relação à semana anterior.

 

De acordo com o boletim, observa-se em 2020 um aumento de 22,7% no número de casos prováveis, quando comparado ao mesmo período do ano passado, em que foram registrados 37.613 casos prováveis.

 

A Região de Saúde Sudoeste apresentou 11.450 casos (24,8%), seguida das Regiões Sul, com 8.487 ocorrências (18,4%), e Norte, com 7.763 casos (16,8%). Embora a Região Sudoeste tenha apresentado o maior número de registros, a Região Sul apresenta a maior taxa de incidência (3.109,2 por 100 mil habitantes).

 

Até a Semana Epidemiológica 45 de 2020, foram confirmados 69 casos de dengue grave (DG) e 749 casos de dengue com sinais de alarme (DSA), com 44 óbitos: dez no Gama; quatro em Ceilândia e Planaltina, três em Samambaia e Vicente Pires; dois em Sobradinho, Guará, Sobradinho II, Lago Sul, Recanto da Emas, Taguatinga e Santa Maria; e um no Riacho Fundo II, Paranoá, Fercal, Águas Claras, Sudoeste/Octogonal e Plano Piloto. No mesmo período do ano passado foram registrados 53 óbitos.

 

“Realizamos ações diariamente nas residências do DF. Já nos pontos estratégicos, que são os locais com maior incidência de contaminação, as vistorias ocorrem quinzenalmente e sempre é utilizado a borrifação com UBV costal”, explica o diretor de Vigilância Ambiental, Edgar Rodrigues.

 

Nesta semana, o Sanear Dengue, que conta com o apoio do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF), realizou ações de combate ao Aedes aegypti no Jardim Botânico e em São Sebastião. Edgar Rodrigues destaca que o carro do fumacê também tem passado nas áreas onde ocorre o maior índice de casos de dengue. Nesta semana, passou por Gama e Sobradinho.

 

A Diretoria de Vigilância Ambiental orienta que toda a população tire dez minutos por semana para inspecionar seu quintal e possíveis áreas que podem acumular água parada. “Com o aumento das chuvas, a preocupação aumenta, pois facilita a proliferação do mosquito. Por isso, é importante verificar todos os locais, garagens, jardins, plantas que acumulam água e calhas”.

 

Tipos de vírus

 

Em relação ao monitoramento das cepas do vírus da dengue, os subtipos circulantes no Distrito Federal são o DenV-1, detectado em 384 amostras, e o DenV-2, presente em apenas 32 do total de amostras analisadas, pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal (Lacen-DF).

 

De acordo com o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero, “o vírus DenV-2 é o que possui maior taxa de agressividade e maior letalidade, enquanto o vírus DenV-1 tem maior capacidade de contaminicidade e menor taxa de letalidade”. Em 2019, o DenV-2 predominou, sendo detectado em 71,1%, e o Denv-1, em 28,9% do total de amostras analisadas.