Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/06/20 às 16h49 - Atualizado em 18/06/20 às 17h11

Ambulatório de Egresso do Hran atende pacientes de toda a rede que tiveram Covid-19

COMPARTILHAR

Local realiza avaliação clínica e exames como tomografias e de avaliação pulmonar

 

JURANA LOPES, DA AGÊNCIA SAÚDE

 

Fotos: Geovana Albuquerque/Agência Saúde

O Hospital Regional da Asa Norte (Hran), referência no atendimento a pacientes infectados pelo novo coronavírus instalou em seu interior o Ambulatório de Egressos. O local possui a mais alta tecnologia e é voltado para pacientes que tiveram a Covid-19 de maneira mais aguda ou que ficaram internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI).

 

“O que temos no Ambulatório de Egressos é voltado para pacientes que tiveram Covid-19 e ficaram internados, mesmo que em outras unidades da rede. Neste local, os pacientes vão fazer revisão, porque alguns pacientes irão ficar com algum nível de sequela e precisamos entender isso”, explica o chefe da Unidade de Pneumologia do Hran, Paulo Feitosa.

 

De acordo com o pneumologista, o paciente vai para a consulta, em que é examinado, faz tomografia na hora e prova de função pulmonar completa, ela se divide em espirografia, volumes pulmonares e difusão de monóxido de carbono, realizada somente no Hran. Além disso, o paciente é submetido a um teste de caminhada que avalia se ele está dessaturando ou não. Uma das queixas dos pacientes, principalmente dos mais graves, é de fraqueza muscular, que persiste durante um tempo após a alta.

 

“O que ocorre é que a função pulmonar já está boa, mas o paciente ainda não tem uma resistência física normal ainda, o que é avaliado. Fazemos também o teste imunológico que avalia a resposta imunológica do paciente. Tem os que ficaram internados de 20 a 30 dias na UTI, que possuem comorbidades. São casos mais complicados, as comorbidades se desorganizaram. Precisamos entender a situação clínica dele e qual nível de acompanhamento que daremos para ele”, informa.

 

Paulo Feitosa dá como exemplo um diabético que não estava tratando sua diabetes, somente a Covid-19. O médico explica a necessidade de tratamento dele, o que pode ser feito e realiza o acompanhamento da Covid-19. Além disso, este paciente diabético receberá encaminhamento para ir à endocrinologia.

 

“O atendimento ao paciente com Covid-19 já era muito bom na entrada e também é muito bom na saída. O paciente faz a tomografia, em 3 minutos acaba, sai por outro acesso, se tiver pneumonia será encaminhado ao médico do pronto-socorro, sendo um outro profissional, e não o que fez o primeiro atendimento, porque ele será internado e classificado por gravidade”, explica. Paulo frisa que todo paciente diagnosticado com pneumonia fica internado.