Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
7/07/15 às 11h03 - Atualizado em 30/10/18 às 15h12

Ambulatório no Hran orienta viajantes brasilienses

COMPARTILHAR

Servidores fornecem vacinas, medicamentos preventivos e dicas variadas. Serviço é gratuito e por agendamento

BRASÍLIA (7/7/15) – Ao programar uma viagem, um item que deveria estar no topo da lista de prioridades é deixado, na maioria das vezes, para a última hora ou nem sequer lembrado: a imunização. Em Brasília, o Ambulatório do Viajante, no Hospital Regional da Asa Norte (Hran), é o único que fornece todo tipo de vacina e orienta as pessoas que vão para regiões com incidência de doenças infectocontagiosas, tanto no exterior como no Brasil.

Criado em outubro de 2010, o espaço atende uma média de seis pessoas por dia. O serviço é totalmente gratuito e fica disponível de segunda a sexta-feira, das 8 às 12 horas, e, na terça e na quarta, também das 14 às 17 horas. Para ser atendido, é preciso agendar por telefone (3328-7562), sendo que grupos de pessoas que vão viajar juntas podem marcar uma única consulta.

O médico epidemiologista Luiz Fernando Alves de Carvalho, que atende no ambulatório do Hran, esclarece que nem todos os atendimentos precisam de imunização. A necessidade depende de quais vacinas já foram tomadas pelo paciente e do destino da viagem. O foco são doenças infecciosas, como sarampo, rubéola, caxumba, tétano, febre amarela, difteria, tuberculose, hepatite A, hepatite B, meningite meningocócica e febre tifoide.

Também são prescritas medicações profiláticas — que atuam como medida preventiva de enfermidades — para doenças como malária, dengue e leishmaniose. “Na Amazônia, por exemplo, é necessário proteger-se contra o ataque dos insetos transmissores com o uso de repelentes e roupas que cubram a maior parte do corpo. Deve-se evitar ainda a exposição nos horários em que os mosquitos atacam mais”, afirma Carvalho.

O viajante recebe dicas sobre consumo de água e orientações quanto a alimentos não recomendados e a roupas mais adequadas de acordo com o clima. Em alguns lugares, por exemplo, é aconselhável tomar apenas água comprada ou até mesmo utilizar produtos para a purificação do líquido — é o caso de algumas regiões da África. “Em outros destinos, é melhor não consumir alguns temperos locais ou determinados tipos de carnes”, alerta o especialista.

Atendimento – É necessário levar para a consulta o cartão de vacina e um documento de identidade. Os viajantes devem ser atendidos com antecedência mínima de quatro semanas antes da viagem. “O organismo precisa de um tempo para produzir resposta imunológica para a maioria das vacinas”, justifica Carvalho.

Atualmente, a vacina que previne contra febre amarela é a única obrigatória para entrar em países da África, da América do Sul e do Caribe e em algumas regiões da Ásia. Em tais destinos, é exigido o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia, documento retirado nos Centros de Orientação ao Viajante da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) mediante cartão que comprove a dose contra a febre amarela e um documento de identidade oficial com foto. A lista dos centros que atendem em Brasília pode ser visualizada na internet.

Ambulatório do Viajante
Hospital Regional da Asa Norte — Setor Médico-Hospitalar Norte, Quadra 101
De segunda a sexta, das 8 h às 12 h; às terças e quartas, também das 14 h às 18 h
Agendamento: 3328-7562