Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/06/20 às 18h40 - Atualizado em 29/06/20 às 10h13

Atendimentos para dependentes químicos continuam mesmo na pandemia

COMPARTILHAR

Quem precisa de atendimento com relação ao uso de drogas pode procurar qualquer CAPS

 

JURANA LOPES, DA AGÊNCIA SAÚDE

 

O Dia da Política Nacional de Enfrentamento às Drogas é celebrado em 26 de junho. Na Secretaria de Saúde do Distrito Federal, os casos graves e persistentes de uso abusivo e dependência química de substâncias psicoativas são assistidos nos Centros de Atenção Psicossocial para tratamento de pessoas em uso de álcool e outras drogas (Caps AD).

 

Os Caps AD II e o Caps AD III atendem pessoas a partir dos 16 anos. Os Caps I (Infanto-Juvenil) atendem as demandas do uso abusivo e dependência química de crianças e adolescentes até 16 anos. Os casos leves são acompanhados na Atenção Primária à Saúde. A saúde mental é assistida pela Rede de Atenção Psicossocial do DF.

 

“O objetivo dos Caps é oferecer atendimento à população de sua área de abrangência, realizando o acompanhamento clínico e a reinserção social dos usuários pelo acesso ao trabalho, lazer, exercício dos direitos civis e fortalecimento dos laços familiares e comunitários”, explica a gerente de Normalização e Apoio em Saúde Mental, Priscila Estrela.

 

DADOS – Em um ano regular, a média de atendimentos dos Caps AD II, que funcionam de segunda a sexta, em horário comercial, é de 6 mil atendimentos individuais e 6,5 mil atendimentos em grupo. Com relação aos Caps AD III, que tem funcionamento 24 horas, de segunda a domingo, a média de atendimentos individuais em um ano regular, é de 25 mil e 10 mil atendimentos em grupos.

 

No entanto, o contexto de Pandemia pela Covid-19 impetrou adaptações no funcionamento dos serviços, como a suspensão das atividades de grupo para evitar aglomerações. Além disso, com a orientação do Ministério da Saúde de evitar a circulação, houve inicialmente uma diminuição no número da frequência.

 

Priscila explica que para reforçar o vínculo com o tratamento, os serviços intensificaram as buscas ativas por outros meios de comunicação, possibilitando um acompanhamento dos pacientes. Com o início da incidência dos efeitos psicológicos relacionados à pandemia e com a reabertura gradual dos estabelecimentos, o número de pacientes tem aumentado. Os Caps também estão dando suporte, atuando como serviço de retaguarda especializado em saúde mental, às Unidades de Acolhimento da Secretaria de Desenvolvimento Social.

 

AJUDA – Quem precisa de atendimento com relação ao uso de drogas pode procurar qualquer Centro de Atenção Psicossocial. O Caps é um serviço especializado de saúde mental, de caráter aberto e comunitário do Sistema Único de Saúde (SUS) que, por assistir a demandas graves e persistentes, oferta um cuidado intensivo, comunitário, personalizado e promotor de vida.

 

“O paciente não necessita de encaminhamento para estes equipamentos, ele é acolhido na unidade e avaliado por uma equipe multiprofissional composta por médicos, psicólogos, assistentes sociais, enfermeiros e terapeutas ocupacionais. Porém, somente são elegíveis para acompanhamento no serviço os pacientes com transtornos mentais graves e persistentes”, orienta.