Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
24/09/13 às 18h34 - Atualizado em 30/10/18 às 15h07

Mudança de procedimento reduz tempo de internação no Hospital de Samambaia

COMPARTILHAR

Permanência na Clínica Médica caiu de 26 para 18 dias

Os pacientes internados na Unidade de Clínica Médica do Hospital Regional de Samambaia (HRSam) contam com assistência multidisciplinar – que são visitas realizadas por uma equipe de profissionais no leito do paciente – com o objetivo de otimizar o processo de desospitalização e facilitar o gerenciamento dos leitos na rede pública.

“Agora, posso dizer que conheço o perfil do paciente. Além disso, proporcionamos a ele o melhor cuidado após a alta hospitalar”, destacou a gestora de leitos do HRSam, Nayara Mendes Jardim Mendonça.

De acordo com a gestora de leitos, a nova prática, iniciada em julho, ajudou a reduzir de 26 para 18 dias o tempo de internação dos pacientes da unidade, visto que foi possível agilizar pendências com a presença da equipe multidisciplinar. “Na última visita, por exemplo, foi possível liberar cinco leitos”, relatou.

As visitas acontecem todas as quintas-feiras, no período vespertino, em cada leito da clínica médica. A equipe é composta pela gestão de leitos, chefia da clínica médica, enfermeiros, técnicos de enfermagem, médico, fisioterapeutas, assistentes sociais, nutricionistas e pelo Núcleo Regional de Atenção Domiciliar – NRAD de Samambaia.

Os motivos que mantêm o paciente internado são avaliados e discutidos pontualmente pela equipe, que, conforme cada caso, agiliza o processo da alta, solucionando rapidamente possíveis pendências. Assim, há a consequente liberação do leito para pacientes do pronto-socorro, para os que recebem alta da Unidade de Terapia Intensiva ou aqueles transferidos de outros hospitais.

O enfermeiro Bruno Santos de Assis reconhece que as visitas têm tornado a prática profissional muito mais sistematizada. “São traçadas metas e objetivos para os pacientes, além de contribuir para o conhecimento científico de toda equipe”, apontou.

A médica da unidade, Shirley Milione, também reconhece os efeitos dessa prática junto aos pacientes. “As visitas têm favorecido a desospitalização, além de ser possível obter a opinião de vários profissionais com um objetivo único e exclusivo: o bem estar dos pacientes”.

Para o diretor do HRSam, Élio de Aguiar, a visita técnica é uma prática de suma importância. “O objetivo é otimizar as altas dos pacientes, além de agilizar pareceres e possíveis pendências, com uma boa assistência”, destacou.

O HRSam conta atualmente com 26 leitos na clínica médica e a taxa de ocupação efetiva da unidade é em torno de 75 a 85 por cento.

Iêda Oliveira