Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
28/11/14 às 12h58 - Atualizado em 30/10/18 às 15h11

Brasília comemora um ano do transplante de medula óssea

COMPARTILHAR

Parceria resulta em 36 transplantes

BRASÍLIA (28/11/14) – Neste mês de novembro, a Secretaria de Saúde (SES/DF) comemorou o primeiro ano de realização de transplante de medula óssea em paciente de hospital público do Distrito Federal. Nesse período, o número de transplantes de medula óssea subiu para 36 procedimentos.

A realização desse tipo de transplante é possível graças à parceria entre a SES/DF, a Fundação Hemocentro de Brasília (FHB) e o Instituto de Cardiologia (ICDF).

“Estamos muito felizes com o resultado do nosso trabalho em conjunto com a Secretaria de Saúde e o Instituto de Cardiologia, pois chegamos a um número bastante significativo de transplantes, neste primeiro ano”, disse a diretora-presidente da FHB, Beatriz Mac Dowell Soares. “Esperamos que, no futuro, outros hospitais possam se credenciar como Centros Transplantadores, aumentando assim a oferta de transplante para os pacientes do sistema público de saúde do DF que, antes, precisavam se deslocar para  outros estados, completou.

A FHB é responsável pelo processamento, congelamento e armazenamento da bolsa de células progenitoras hematopoéticas (células tronco) coletadas de um paciente.

De acordo com os dados do ICDF, unidade credenciada pelo SUS como centro transplantador, os 36 transplantes realizados nesse período de um ano foram todos autólogos, ou seja, quando as células utilizadas no transplante de medula óssea são do próprio paciente, conforme explicou a hematologista da Flávia Zattar Piazera.

“Após o processamento das células, fazemos o armazenamento da bolsa de células progenitoras hematopoéticas, congelando-a em uma temperatura de menos 80 graus até que o hematologista do Instituto de Cardiologia avise quando será realizado o procedimento, para que encaminhemos a bolsa”, afirmou a médica.

Para se tornar um Centro Transplantador é necessário que o hospital atenda às normas do Serviço Nacional de Transplante, que exigem o cumprimento de regras e procedimentos para o sucesso do TMO. Dentre elas, a que determina que a unidade tenha um serviço de hemoterapia para suporte ao transplante. 

O que é o TMO?

O transplante de medula óssea (TMO) é um tipo de tratamentoque visa substituir uma medula óssea doente por uma saudável para restabelecer a produção normal das células sanguíneas. É indicado para diversas doenças, tais como leucemias, linfomas, mieloma múltiplo, aplasia de medula, imunodeficiências. Nem todos os pacientes portadores destas doenças têm indicação para realização de transplante, pois a realização do procedimento depende do tipo e do estádio da doença e da idade do paciente.

Os Tranplantes de Medula Óssea podem ser autogênicos (autólogo)ou alogênicos. No transplante autólogo, as células progenitoras hematopoéticas provêm do próprio indivíduo transplantado. Já no transplante alogênico, as células provêm do doador, que pode ser um parente, geralmente irmão, ou não parente. Para que se realize um TMO alogênico é necessário que haja compatibilidade entre doador e receptor.