Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
13/12/19 às 10h25 - Atualizado em 13/12/19 às 10h25

Caps AD de Samambaia traz humanização através do grafite

COMPARTILHAR

Pacientes aprovam o acolhimento e o atendimento recebidos na unidade

 

Há pouco mais de um ano, Ângelo* chegava ao Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD) de Samambaia em busca de ajuda para se livrar da dependência alcoólica. “Aqueles que se diziam amigos viraram as costas. Os familiares também. Eu perdi meu emprego de vigilante por causa do alcoolismo. E fui acolhido aqui”, relata o paciente.

 

Nesses últimos dias, ele percebeu que o ambiente ficou mais alegre e receptivo. “Eu vi que o local precisava passar por uma revitalização. Então, houve pintura e várias outras mudanças. Isso é importante e ajuda muito também a nós, que fazemos tratamento aqui. Espero que melhore cada dia mais, porque o Caps é muito importante para a gente”, reafirma o usuário.

 

A impressão de Ângelo resume um pouco da revitalização feita em alguns espaços do centro. Além da pintura das paredes, foi feito grafite nos consultórios de atendimento individual e na recepção.

 

“A revitalização torna o espaço mais humanizado, deixa o ambiente mais adequado às terapêuticas em saúde mental. O ambiente ficou mais acolhedor para os pacientes, para os servidores, para a comunidade em geral”, ressalta a gerente do centro, Fabiana Angélica Costa Faria.

 

MUDANÇAS – As mudanças no local tiveram o apoio dos servidores, dos residentes e dos professores do centro e foram realizadas em parceria com o grupo de grafiteiros Dois Irmãos. “Esse grupo não tem fins lucrativos e apoia instituições nas quais eles acreditam. E eles acreditam bastante no Caps, na reforma psiquiátrica”, informa a gerente.

 

Outro projeto focado na humanização dentro do centro realizou a transformação do refeitório, um espaço de convivência para os pacientes, principalmente para os internados no local.

 

“Eu me sinto em casa aqui. Eu fico aqui das 8h às 18h, no espaço da oficina de geração de renda, principalmente na parte da oficina de costura”, conta Pedro*, paciente do Caps há três anos. “Acho excelente esse processo de tratamento, porque quando eu cheguei aqui eu era um zé ninguém. Eu não estava na rua, mas estava muito debilitado”, lembra o usuário.

 

ATENDIMENTOS – O Caps AD de Samambaia possui 12 leitos para internação, onde os pacientes podem pernoitar e recebem acompanhamento 24 horas.  Em média, são atendidos 70 pacientes, diariamente, pela equipe multidisciplinar do centro, individualmente, nas oficinas e nas práticas em grupo.

 

*Os nomes dos pacientes são fictícios para preservar suas identidades.

 

 

Josiane Canterle, da Agência Saúde

Fotos: Divulgação/Saúde-DF