Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
16/03/17 às 11h22 - Atualizado em 30/10/18 às 15h16

Cartilha orienta profissionais do acolhimento a vítimas de violência

COMPARTILHAR

Material aponta a importância da notificação compulsória

BRASÍLIA (16/3/17) – Servidores da Saúde do Distrito Federal e de outros estados do Brasil passaram a contar com uma cartilha, produzida pelo Ministério da Saúde, orientando sobre os cuidados no acolhimento e notificação de casos de violência. A primeira edição do documento foi publicada no site da Secretaria de Saúde do DF nesta quarta-feira (15).

“A notificação compulsória de casos de violência é obrigatória, por lei. Essa cartilha vem para sensibilizar os profissionais de saúde e também os gestores, sobre a importância de se notificar. A forma leve com que foi editada também tira a preocupação do profissional, que em algumas situações, teme notificar e se envolver com o caso”, ressalta a coordenadora de Estudos e Programas na Atenção e Vigilância em Violências da Secretaria de Saúde, Fernanda Falcomer.

Segundo a cartilha, notificar os casos de violência é importante por diversos fatores: conhecer a magnitude e a gravidade das violências e identificar os casos que permanecem “ocultos” nos espaços privados e públicos; compreender a situação epidemiológica desse agravo no DF, subsidiando as políticas públicas para a atenção, a prevenção de violências, a promoção da saúde e a cultura da paz; intervir nos cuidados em saúde, promovendo atenção integral às pessoas em situação de violência; proteger e garantir direitos por meio da rede de atenção e proteção.

O trabalho de cada profissional que atende pessoas em situação de violência é estratégico para o fortalecimento da vigilância e da rede de atenção e proteção.

NEPAV – O Núcleo de Estudos e Programas na Atenção e Vigilância em Violência (Nepav) da Secretaria de Saúde do DF conta com sete núcleos, distribuídos em todas as regiões de saúde do DF. Em cada hospital regional há um programa em andamento, além de programas em centros de saúde no Núcleo Bandeirante, Recanto das Emas e São Sebastiao, totalizando 19 programas.

“Na SES/DF temos o Programa “Flores em Rede” composto pelos Serviços de Atenção Integral à Saúde de Pessoas em Situação de Violência, todos com nomes de flores que funcionam nos Hospitais, estes serviços atendem as pessoas vítimas de violência sexual, física, psicológica e negligência em todos os ciclos de vida”, ressalta a Gerente de Doenças e Agravos Não-Transmissíveis, Kelva Karina Nogueira.

Acesse a cartilha aqui.