Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
29/05/20 às 11h32 - Atualizado em 29/05/20 às 12h01

Centro Obstétrico do Hospital da Região Leste passa por readequação

COMPARTILHAR

Será instalada no CO uma sala destinada para realização do exame cardiotocografia basal

 

JURANA LOPES, DA AGÊNCIA SAÚDE*

 

Fotos: Breno Esaki/Agência Saúde

O Centro Obstétrico do Hospital da Região Leste (HRL), antigo Hospital Regional do Paranoá, está passando por obras de readequação e manutenção do espaço. O trabalho já começou e a previsão de conclusão da obra é de 60 dias. O contrato de manutenção predial permitiu as ações preventivas e corretivas, que irão beneficiar os usuários da Região de Saúde Leste.

 

Os trabalhos incluem: a remoção de infiltração e vazamentos da rede hidráulica; manutenção da rede de esgotos; manutenção e adequação dos banheiros; adequação de setores; revisão da instalação elétrica e manutenção da pintura. No local, pontos de oxigênio que estiverem de forma irregular serão reposicionados e outros serão instalados de acordo com cada leito.
Segundo a Referência Técnica Assistencial (RTA) de Ginecologia e Obstetrícia do HRL, Marcílio Machado Dias, são obras para garantir um melhor atendimento.

 

“A finalidade é a satisfação do usuário em primeiro lugar e dos servidores, que passam 24 horas aqui dentro do CO. É uma readequação para melhorar a assistência às gestantes que estão em trabalho de parto”, afirma.

 

Com a readequação dos espaços, ainda será possível instalar uma sala destinada para realização do exame de cardiotocografia basal (CTB), que permite avaliar o bem-estar do bebê ainda na barriga da mãe. Segundo Marcílio, tendo uma sala exclusiva, a mãe não ficará dependente de um leito vago dentro do CO.

 

“Vai ser uma sala de exame exclusivo para cardiotocografia basal, mais conhecida como CTB. Quem faz esse exame são aquelas gestantes que têm queixa de movimentação fetal diminuída, em que o bebê pode estar comprometido ou em algumas doenças como diabetes, que pode dar alguma alteração no bebê. Então, é um exame complementar ao obstetra para definir a conduta do caso”, frisa.

 

FASES – Para não atrapalhar o fluxo de atendimentos no Centro Obstétrico (CO), nesta primeira fase de obras as ações concentram-se somente em algumas salas.

 

“Esta primeira etapa vai reformar as salas de parto, de cuidado com o recém-nascido, de medicações, além da sala de observação e a copa dos servidores”, explica a supervisora de Enfermagem do CO, Viviane Resende.

Na segunda fase serão readequados os espaços dos consultórios médicos, banheiro do paciente, área de repouso médico masculino, as duas salas do Centro Cirúrgico Obstétrico, sala de recuperação anestésica, e a outra sala de atendimento ao RN.

 

Só no ano passado, foram realizados 2.818 partos no Hospital da Região Leste, sendo que a média mensal corresponde a 235.

 

*Com informações da Superintendência da Região de Saúde Leste