Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
25/09/18 às 12h15 - Atualizado em 1/08/19 às 12h40

Controle dos vetores da doença de chagas

A Doença de Chagas é uma doença infecciosa causada pelo protozoário (parasito), o Trypanosoma cruzi, transmitido pelas fezes/urina do vetor, o inseto triatomíneo (barbeiro), quando defeca na pele de pessoas e/ou animais silvestres (mamíferos, aves, anfíbios e répteis) ao se alimentar de sangue. Existem outras formas de transmissão humana desse parasito: transfusão sanguínea, transmissão materna, transplantes de órgãos, oral (alimentos contaminados) e acidental (laboratório e acampamentos em matas).

Vale ressaltar que os triatomíneos (barbeiros) têm o hábito alimentar de sugar sangue (são hematófagos) e que podem procurar alimento tanto nos domicílios humanos como no ambiente natural e silvestre.

A forma de prevenção vetorial da doença de Chagas é realizada por meio da Vigilância Entomológica dos vetores, que tem o objetivo de evitar que o inseto “barbeiro” colonize o domicílio humano (com exemplares adultos, filhotes e ovos), tanto dentro da residência como próximo a ela, no quintal.

 

Imprima a Carta de Serviço


A PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO É FUNDAMENTAL!

 

COMO?

Qualquer inseto suspeito (parecido com o triatomíneo/barbeiro) que o morador encontrar comunique imediatamente à Vigilância Ambiental.

 

PORQUE?

A base de informações da Vigilância Entomológica, que será  monitorada, provém dos insetos suspeitos encaminhados pela população. No laboratório, são identificados e examinados, para confirmação se é ou não o barbeiro. Se for o barbeiro, algumas ações/atividades serão desencadeadas pela equipe dos Agentes de Saúde Ambiental, como a inspeção domiciliar e outras medidas de controle.

 

CUIDADOS!

O morador, ao encontrá-lo em lugar visível da casa, andando sobre o chão e/ou parede deverá coletá-lo, de preferência sem matá-lo, proteger bem as mãos e pegá-lo com recipiente (com tampa para evitar sua fuga), de preferência não tocar nele diretamente, se o fizer enluvar/cobrir a mão com saco plástico ou similar. Importante não o esmagar, apertar, bater ou danificá-lo, porque para o exame laboratorial será necessário que ele esteja íntegro.

 


Requisitos:

 

  • O inseto suspeito deverá ser proveniente de um domicílio/moradia (onde a família dorme diariamente), encontrado no intradomicílio (ambiente de dentro: sala, quarto, banheiro e/ou cozinha) e/ou no peridomicílio (ambiente de fora – paredes/tetos/chão de varandas, criadouros de animais/quintal: galinhas/frangos, porcos, cavalos, ovelhas, patos, gansos, coelhos, preás ou outros).
  • Os exemplares deverão ser entregues o mais rápido possível, para não comprometer o resultado laboratorial;
  • O controle químico (com inseticida no domicílio) só será realizado, após avaliação técnica e resultado do laboratório: identificação biológica do inseto suspeito, espécie de barbeiro, estágio evolutivo (jovem e/ou adulto) e local de captura.

 


NÃO SERÁ ACEITO PARA EFEITO DE IDENTIFICAÇÃO LABORATORIAL O INSETO SUSPEITO QUE:

Enviado somente por imagem da rede social (e-mail, facebook/e-mail/wathsapp/instagram)
Exemplares de insetos suspeitos capturados fora do ambiente domiciliar, como em vias públicas, parques, reservas florestais, matas de galeria, ou similares

 


Documentos necessários

Não é necessária a apresentação de documentos, mas fornecer corretamente o endereço completo e o contato (telefone: fixo e/ou celular e e-mail) para retorno do agente de vigilância ambiental.

 


Formas de prestação do serviço

Telefone – 3347-8527
Internet – www.saude.df.gov.br
Endereço presencial:
SAIN, lote 4, Asa Norte, CEP: 70071-125
Núcleos Regionais de Vigilância Ambiental em Saúde (em construção)
Postos de Identificação de Triatomíneos (em construção)

 


Etapas e prazos

1 – Resultado laboratorial
Identificação do tipo de inseto, se é barbeiro ou não e qual a espécie do triatomíneo – de 1 a 3 dias
Parasitológico das fezes do triatomíneo (barbeiro): identificação do parasito Trypanosoma cruzi .
– 1 a 3 dias (até 10 triatomíneos)
– 4 a 6 dias (entre 10 e 30 triatomíneos)
– 7 a 20 dias (acima de 30 e menor de 100 triatomíneos)
– Acima de 100 e menor que 500 triatomíneos, dependerá da capacidade técnica do laboratório

2 – Inspeção domiciliar:

Após a confirmação laboratorial que o inseto suspeito é um barbeiro –
de 3 a 7 dias, se conseguir contatar o morador para agendar a visita

3 – Controle químico
Só ocorrerá após avaliação técnica