Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
20/08/19 às 17h20 - Atualizado em 20/08/19 às 17h29

DF está com índice de infestação por Aedes aegypti satisfatório

COMPARTILHAR

Apesar dos dados positivos, Vigilância Ambiental segue com ações preventivas

 

O índice de infestação predial pelo Aedes aegypt, no Distrito Federal, alcançou 0,2%, percentual considerado satisfatório. O dado está no último Levantamento Rápido de Índices para o Aedes aegypti (LIRAa), produzido trimestralmente pela Secretaria de Saúde.

 

A metodologia permite o conhecimento, por amostragem, da quantidade de imóveis com a presença de recipientes com larvas do mosquito transmissor da dengue, chikungunya, zika e febre amarela urbana.

 

“O levantamento serve para nortear nossas ações. Mas o fato de estarmos com índice satisfatório não significa que estamos de braços cruzados. Estamos atuando com visitas domiciliares em todas as regiões administrativas, distribuindo informativos e naquelas cidades em que houve um índice acima de 1% vamos fazer a aplicação de larvicidas”, explica o diretor de Vigilância Ambiental da Secretaria de Saúde, Edgar de Souza.

 

Apenas três cidades do DF apresentaram índice acima de 1%, considerado situação de alerta: Park Way (1,2%), Granja do Torto (1,6%) e Lago Sul (1,1%). “Por precaução e prevenção, entramos com ações de manejo nessas regiões. Vamos aplicar, a partir da semana que vem, um larvicida em pó, e atuar junto às administrações regionais para a retirada de inservíveis nas áreas públicas”, conta o diretor.

 

Ele ressalta que, mesmo em estado de alerta, esses índices são insuficientes para desencadear um processo com casos de dengue. A maioria das regiões administrativas apresentou índice zero de infestação.

 

Ficaram entre 0,2% e 0,7% as cidades de Riacho Fundo I, Ceilândia, Asa Norte, Lago Norte, Varjão, Vila Planalto, Paranoá, Arapoangas, Recanto das Emas, Samambaia Sul, São Sebastião II, Jardim Botânico, Sobradinho I e II, Asa Sul, Sudoeste, Taguatinga Sul, e as quadras da QNJ e QNL, também em Taguatinga.

 

INFORMAÇÕES – Em todo o Distrito Federal, foram visitados 26.367 imóveis para a confecção do LIRAa. Os resultados obtidos permitem à população conhecer quais os tipos de depósitos que representam maior probabilidade de servirem como criadouros para o mosquito.

 

O documento é, também, uma importante fonte de informação para a mobilização social. Busca sensibilizar e direcionar o olhar da população para os problemas identificados na sua área, a fim de que sejam adotadas medidas de prevenção das doenças transmitidas por este vetor.

 

 

Alline Martins, da Agência Saúde

Fotos: Breno Esaki/Saúde-DF