Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/01/18 às 10h04 - Atualizado em 30/10/18 às 15h18

DF tem alta cobertura vacinal contra febre amarela

COMPARTILHAR

Aproximadamente 85% da população está imunizada

BRASÍLIA (26/1/18) – Pouco mais de 207 mil doses de vacina contra febre amarela foram aplicadas nas salas de vacina do Distrito Federal durante o ano de 2017. Esse quantitativo contribuiu para o alcance da cobertura vacinal atingir 85% da população. Para quem ainda não foi imunizado, a Secretaria de Saúde está com os estoques em dia. Somente nesta quarta-feira (24), mais 20 mil doses chegaram à pasta, enviadas pelo Ministério da Saúde.

“A situação no DF está tranquila. Pedimos que as pessoas não entrem em pânico em razão da situação mostrada pela mídia em São Paulo e Minas Gerais. O Distrito Federal tem alta cobertura vacinal. A nossa população, em sua grande maioria, já está imunizada”, observa a diretora de Vigilância Epidemiológica da pasta, Maria Beatriz Ruy, destacando que por aqui, crianças a partir de 9 meses já recebem vacina contra febre amarela.

PÚBLICO – Precisam ser imunizadas crianças a partir de nove meses e adultos de até 59 anos. Gestantes, mulheres que amamentam crianças de até seis meses, pessoas com imunossupressão e aquelas com mais de 60 anos só devem se vacinar mediante avaliação médica criteriosa.

A rede pública do DF está abastecida com o insumo e cada pessoa deve tomar apenas uma dose durante toda a vida, segundo orientação do Ministério da Saúde. A aplicação da vacina é feita nas unidades básicas de saúde. “É importante que as pessoas levem seu cartão de vacina e guardem para certificar quanto ao que estão imunizados”, destaca Beatriz.

NADA DE PÂNICO – Além da alta cobertura vacinal, o DF tem baixo registro de casos. Em 2017, foram investigados 86 casos suspeitos de febre amarela em moradores do Distrito Federal. Destes, 83 foram descartados, três foram confirmados e evoluíram para óbito. Das confirmações, apenas um foi autóctone, ou seja, contraído no próprio DF. 

Logo após a suspeita, porém, a Secretaria de Saúde já tomou todas as medidas necessárias para evitar a doença. Em busca de possíveis contaminações, agentes visitam os locais e rastreiam as pessoas com quem a vítima teve contato. Depois, é feito o controle do mosquito Aedes aegypti, que transmite febre amarela, dengue, zika vírus e chikungunya.