Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/08/20 às 10h22 - Atualizado em 27/08/20 às 11h31

Dia do Psicólogo: Pandemia mostra o papel fundamental desses profissionais

COMPARTILHAR

Psicólogos têm se destacado no apoio à assistência em Saúde Mental

 

JURANA LOPES, DA AGÊNCIA SAÚDE DF

 

Comemorado nesta quinta-feira (27), o Dia do Psicólogo chama a atenção para a importância e papel essencial desse profissional na assistência à saúde mental. O psicólogo é o profissional que atua com foco na subjetividade humana e em como ela afeta e é afetada pelas relações e pelo ambiente. Dentro do contexto da saúde, os psicólogos são aqueles que ampliam o olhar para o paciente. Aquele que contribui para que a equipe enxergue o paciente para além da doença que ele apresenta naquele momento.

 

Arte: Rafael Ottoni

“Enxergamos doenças que não aparecem em exames físicos, mas que são transgeracionais dentro da cultura daquela família. Somos os profissionais que intervêm na crise e na violência. No desastre e na catástrofe. Ampliando a escuta sobre a dor e o sofrer auxiliamos o paciente a se enxergar como um sujeito e não um CID. Ajudamos o sujeito a se encontrar com suas potencialidades a despeito do seu adoecer”, explica Fernanda Jota, psicóloga nos Centros de Especialidade para Atenção às Pessoas em Situação de Violência Sexual, Familiar e Doméstica Caliandra (Adolescentro), Margarida e Jasmim (Hran).

 

Com a pandemia e o isolamento, cada vez mais têm surgido transtornos mentais na população e com isso, o papel do psicólogo tem se destacado positivamente. Fernanda acredita que a profissão está vivendo um período de valorização ímpar, tendo em vista que hoje é consenso em todo o mundo que o isolamento social agravou quadros de transtornos mentais e fez surgir quadros novos.

 

Fernanda Jota é psicóloga na rede pública de saúde do DF – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde DF

“As pessoas afastaram-se de suas redes sociais de apoio. Os laços afetivos, tão fundamentais para uma boa qualidade de vida e saúde mental, foram muito prejudicados. Para os casos de violência nos tornamos mais imprescindíveis. Boa parte dos nossos atendimentos hoje são feitos por tecnologias de comunicação. Uma forma de chegar às vítimas de forma mais rápida e ágil”, destaca.

 

Fernanda conta que tem vivido desafios diários desde a pandemia, pois além de fazer os atendimentos de pessoas em situação de violência, todos os psicólogos lotados no Hospital Regional da Asa Norte passaram a dividir suas cargas horárias com o atendimento de familiares de pacientes internados por Covid.

 

Fernanda também atende por teleatendimento no Hran – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde DF

“Em quase todos os meus teleatendimentos a familiares de pacientes internados por Covid-19 no Hran, escuto: eu nunca imaginei que receberia esse nível de atendimento na minha vida. Damos suporte psicossocial para essas pessoas e elas reconhecem que esse é um serviço de excelência. Assim como nos casos das vítimas de violência. Oferecemos um suspiro de acolhimento e humanidade em meio ao caos. Tudo isso reforça a importância do Psicólogo compondo equipes interdisciplinares na atenção à saúde”, avalia.

 

Transtornos

 

A psicóloga Daniela Barros Oliveira é lotada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional de Sobradinho (HRS) e acredita que o psicólogo tem sido essencial neste momento de pandemia.

 

“Além de oferecer o suporte psicológico, nos tornamos uma ponte entre família e paciente e, hoje, temos a tecnologia ao nosso favor que chamamos da “visita virtual”. São vídeochamadas entre paciente e família, acompanhadas pelo psicólogo, em que o paciente que está em isolamento pode comunicar-se com seus entes queridos amenizando a solidão, os medos e angústias. O retorno gratificante para ambos de ter contato mesmo que virtual ameniza a distância e a sensação de abandono”, avalia.

 

Daniela atua na UTI do Hospital Regional de Sobradinho – Foto: Arquivo pessoal

De acordo com Daniela, algumas pessoas sentem mais os reflexos do isolamento, da quebra da rotina e, por sua vez, podem desencadear sintomas depressivos, sinais de ansiedade, de desvalorização e de um futuro incerto. Com isso, algumas pessoas acabam aumentando o consumo de bebidas alcoólicas ou desenvolvendo compulsão alimentar, o que é indicado a busca por um profissional da área de psicologia.

 

A gerente de Serviços de Psicologia da Secretaria de Saúde, Rúbia Marinari, esclarece que em tempos de pandemia de Covid-19, são notórias as dificuldades impostas pela doença, como ansiedade, estresse, o medo de se infectar e de transmitir o novo coronavírus aos entes próximos.

 

Além disso, ainda há o impacto para a saúde mental da população devido à necessidade de distanciamento social, perda de emprego e renda, aumento da vulnerabilidade social, dentre outros. Assim, os psicólogos, passaram a ser acionados para o manejo e prevenção desses impactos emocionais na vida das pessoas, tanto para os pacientes que já estavam inseridos nos serviços da rede, quanto para novos usuários que buscaram os serviços de saúde na pandemia.

 

“Nos hospitais, por exemplo, devido à proibição das visitas aos pacientes infectados com o novo coronavírus, os pacientes necessitam ficar isolados de suas famílias e de sua rede sócio-afetiva durante o tratamento. Esse distanciamento pode trazer solidão e o desenvolvimento/agravamento de sinais e sintomas de depressão e ansiedade. A atuação do psicólogo junto a esse paciente e seus familiares colabora com sua recuperação física e emocional”, conclui.

 

EDIÇÃO: JOHNNY BRAGA

REVISÃO: JULIANA SAMPAIO