Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
17/09/15 às 13h28 - Atualizado em 30/10/18 às 15h12

Divep promove debate sobre as Doenças Crônicas Não Transmissíveis

COMPARTILHAR

Atividade contou com renomado palestrante da área

BRASÍLIA (17/9/15) – Toda segunda semana do mês, a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep) promove, para os seus servidores, um debate sobre temas relacionados à vigilância à saúde, é o “Ciclo de Debates da Divep”, que conta, em cada apresentação, com um convidado especial.

O tema desta semana foi “Doenças Crônicas Não Transmissíveis e Múltiplas Fontes de Dados”, realizado no auditório da Subsecretaria de Vigilância à Saúde (SVS). O evento teve como debatedor Lenildo de Moura, consultor Nacional da Organização Pan Americana de Saúde para Doenças Crônicas Não Transmissíveis e Saúde da Pessoa com Deficiência. Moura tem experiência internacional e conta em seu currículo com mais de 70 publicações em livros e artigos científicos.

O especialista fez um relato das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil e no mundo. “As DCNT são decorrentes de múltiplos fatores de risco, apresentam longos períodos de latência, são de curso prolongado e levam a deficiências e incapacidades funcionais. Doenças cardiovasculares, câncer, doenças crônicas respiratórias e diabetes são responsáveis por 82% das mortes por DCNT no mundo. Aproximadamente 42% de todas as mortes por DCNT no mundo ocorreram em pessoas com menos de 70 anos”.

No DF, os dados de 2013 apontam que as DCNT são responsáveis por 55% das mortes em adultos. Elas são caracterizadas por um conjunto de doenças que não tem envolvimento de agentes infecciosos em sua ocorrência, há uma multiplicidade de fatores de risco comuns que podem levar ao desenvolvimento de incapacidades. As principais DCNT são as doenças cardiovasculares, câncer, diabetes e doenças respiratórias crônicas. Os principais fatores de risco para essas doenças são considerados modificáveis e são influenciados pela urbanização e estilo de vida adotado pela população como, alimentação inadequada, falta de atividade física, tabagismo e uso abusivo de álcool.