Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
8/04/20 às 19h08 - Atualizado em 9/04/20 às 12h02

Empresa que vendia produtos com a promessa de desinfecção do coronavírus é interditada

COMPARTILHAR

Ação contou com o reforço da Polícia Civil e os materiais foram apreendidos

 

Auditores da Diretoria de Vigilância Sanitária (Divisa/SES) realizaram, na terça-feira (7), uma operação de apreensão de diversos materiais saneantes fabricados em um estabelecimento sem autorização para essa finalidade. A denúncia foi feita por um consumidor que se sentiu enganado ao comprar um produto que prometia a desinfecção de ambientes contra o Coronavírus. A fabricação era feita de forma irregular, já que o estabelecimento só possuí autorização para comercializar e não para produzir saneantes.

 

A ação, que contou com quatro auditores fiscais e três farmacêuticos da Divisa, precisou do reforço da Polícia Civil, que prestou apoio juntamente com a equipe da Coordenação de Repressão aos Crimes Contra o Consumidor, a Ordem Tributária e a Fraudes (CORF). “Ao chegarmos no local, deparamo-nos com fabricação acontecendo de maneira precária e irregular. A autorização desse estabelecimento prevê apenas a comercialização do produto pronto para o consumo. O dono da loja estava alterado e tentou impedir a ação de fiscalização da vigilância sanitária e foi preciso chamar o reforço policial para nos dar apoio”, relata a gerente de Medicamentos e Correlatos, Renata Moreira Ferreira.

 

Foram apreendidos diversos insumos para a fabricação de produtos saneantes. Os responsáveis foram encaminhados à delegacia e será aberto inquérito policial. Além da interdição do local, a empresa pode, também, perder a licença sanitária.

 

“Durante esse período de pandemia estamos recebendo diversas denúncias de estabelecimentos fabricando de forma irregular álcool em gel e saneantes. É preciso que o consumidor tenha atenção na hora de comprar, que verifique as informações do rótulo e, se tiver qualquer dúvida, acionar a Vigilância Sanitária pelos telefones 160 ou 162”, enfatiza Renata.

 

Cristina Soares, Agência Saúde

Fotos: divulgação (Divisa/SES)