Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/08/15 às 18h07 - Atualizado em 30/10/18 às 15h12

Esclerose múltipla é debatida na rede pública de Saúde

COMPARTILHAR

Eventos serão voltados para pacientes, profissionais da área e público em geral

BRASÍLIA (26/8/15) –Até 30 de agosto, a Esclerose Múltipla será debatida nas unidades da rede pública de Saúde. Nesta quarta-feira (26), as 19h30, no Hospital Materno Infantil (HMIB), a médica Ludmila Uchoa esclarecerá dúvidas sobre a doença na infância e adolescência, que resguarda uma série de particularidades.

Neurologistas se reunirão, sob a frente de três coordenações diferentes, para encontros com pacientes, cuidadores e o público em geral, visando esclarecer dúvidas sobre a doença, além de alertar para a necessidade do tratamento precoce e multidisciplinar. Estão programadas, entre outras atividades, sessões práticas com fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, educadores físicos, psicólogos e alunos das Ligas Acadêmicas de Neurologia.

As aulas também acontecerão no Hospital Regional de Taguatinga, Hospital Universitário de Brasília e Hospital de Base do Distrito Federal, coordenadas por médicos neurologistas. O público geral contará com um evento na proximidade da Farmácia de Dispensação de Medicamentos de Alto Custo, na estação 102 Sul do metrô, sob a supervisão da médica Karina Alécio, além dos residentes de neurologia e de ligas estudantis de neurologia.

No último dia, 30, os profissionais envolvidos participarão de uma atividade no Parque da Cidade, com pequenas aulas demonstrativas sobre os cuidados com a doença. “Em nossas aulas, traremos informações atualizadas aos médicos e profissionais da saúde que atuam nesta frente. Já nas reuniões com o público falaremos sobre o que é a doença, como diagnosticar e como buscar o tratamento”, explica Elza Dias Tosta, ex-presidente da Academia Brasileira de Neurologia (ABN) e coordenadora regional da campanha.

Elza Tosta conta que “os eventos terão a participação de médicos neurologistas que se dedicam especialmente aos cuidados de portadores desta patologia desmielinizante – inflamatória e degenerativa, prevalente em pessoas do sexto feminino e jovens.” Além disso, a Associação de Pacientes que portam a doença também está convidada a participar.

DIREITOS – Existem diversas leis que beneficiam as vítimas da Esclerose Múltipla. Entre elas, o uso de carros adaptados, o acesso aos medicamentos de alto custo e terapias, conforme portaria nº 1.323, de 25 de novembro de 2013, do Ministério da Saúde. “É importante conhecer os seus direitos e aproveitá-los de modo que favoreça sua qualidade de vida”, completa Elza Tosta.

No blog da Sociedade de Esclerose Múltipla de Brasília, destinado aos portadores de Esclerose Múltipla em Brasília (SEMBRA-DF), é possível se informar sobre os benefícios que a legislação proporciona. Veja em http://sembradf.blogspot.com.br/

SOBRE A DOENÇA – A Esclerose Múltipla atinge de 15 a 20 habitantes entre 100 mil. Afeta principalmente os jovens de 20 a 40 anos, tendo predileção pelas mulheres. Trata-se de uma inflamação no sistema nervoso que deixa múltiplas lesões endurecidas semelhantes a cicatrizes, podendo evoluir para deficiências motoras, da coordenação, da visão e do equilíbrio.
Sua causa ainda é desconhecida, mas sabe-se que fatores genéticos e do ambiente podem determinar seu aparecimento. Um dos maiores problemas da doença é que seus sintomas são facilmente confundidos com os de outras e o diagnóstico precoce é extremamente importante para que possa ser controlada.

Elizabeth Regina Comini Frota, neurologista coordenadora do Departamento Científico de Neuroimunologia da ABN, destaca a importância da campanha: “A Esclerose Múltipla acomete pessoas jovens, cheias de planos, que só estão no início da vida. Ela é crônica, imprevisível e não tem cura, e os portadores sentem como se um muro tivesse sido colocado no meio de seu caminho. Com o conhecimento e entendimento da doença, pacientes, médicos e familiares podem ultrapassar esse obstáculo, continuando a vida da melhor forma possível e convivendo com a doença”.

Programação