Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
3/06/14 às 20h37 - Atualizado em 30/10/18 às 15h11

Especialista explica diferenças entre alergia e intolerância alimentar

COMPARTILHAR

Lactose afeta cerca de 25% dos brasileiros

Apesar de semelhantes, alergia e intolerância alimentar são problemas diferentes. A coordenadora da Alergia e Imunologia da Secretaria de Saúde do DF (SES/DF), Marta Guidacci, explica a diferença entre as doenças. “A alergia alimentar é uma reação adversa a alimentos que envolve o mecanismo imunológico. Algumas pessoas, por exemplo, possuem reações à proteína do leite. A intolerância, por sua vez, diz respeito à incapacidade de se digerir determinada substância. No caso da intolerância à lactose, por exemplo, existe deficiência ou falta da enzima lactase (que digere o leite)”, esclarece. 

Alergia alimentar e intolerância à lactose possuem implicações distintas, sendo a alergia a enfermidade mais grave. “Ambas as doenças podem apresentar quadros com diarréia, vômito e dificuldade para ganhar peso. Mas, nos casos de alergia, existem manifestações como urticária (placas avermelhadas que coçam), angioedema (inchaço dos lábios e outras partes do corpo), chiado do peito e até mesmo reações anafiláticas”, explica a médica.

As doenças também possuem procedências diferentes. A alergia alimentar tem predisposição genética, enquanto a intolerância à lactose decorre de diferentes processos. “Deficiência congênita da enzima, primária ou ontogenética e diminuição enzimática decorrente de doenças intestinais são os fatores que desencadeiam a intolerância. Com o avançar da idade, também existe a tendência natural à diminuição da produção de lactase. Por isso, vários adultos apresentam algum grau de intolerância”, comenta Marta.

Segundo o Ministério da Saúde, a intolerância à lactose afeta cerca de 25% da população brasileira. A estimativa, portanto, é que existam 650.000 pessoas no DF que sofrem de intolerância à lactose. Já a alergia alimentar atinge 5% dos brasileiros, de acordo com a Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (ASBAI), o que equivale a 130.000 portadores da doença na capital federal. Ambos os problemas, caso não tratados, podem acarretar em carência nutricional. A alergia, porém, pode levar à morte. 

Tratamento

Ambas as doenças possuem tratamento. No caso da alergia, o paciente não possuirá sintomas se não ingerir o alimento, e pode passar a tolerá-lo com o passar dos anos ou com abordagens futuras como indução de tolerância com vacinas ou medicamentos. 

No caso da intolerância à lactose, o paciente pode receber a prescrição da enzima lactase para facilitar na ingestão dos alimentos. Os intolerantes à lactose, contudo, possuem diferentes graus de severidade da doença. “Em muitos casos pode ocorrer somente dor e/ou distensão abdominal, sem diarréia. Os sintomas podem levar de alguns minutos até muitas horas para aparecer”, complementa Marta.

Na rede

A SES/DF possui 26 médicos que atendem na especialidade de Alergia e Imunologia, espalhados pelas regionais do Distrito Federal. 

Para procurar tratamento, o paciente deve marcar consulta em Centro de Saúde próximo à sua residência. Caso haja necessidade, o médico solicitará consulta com alergista.

Abaixo, lista de hospitais e centros de saúde que possuem a especialidade “Alergia”:

• Hospital de Base
• Hospital da Criança de Brasília
• Hospital Materno Infantil de Brasília
• Hospital Regional da Asa Norte
• Hospital Regional de Sobradinho
• Hospital do Guará
• Hospital Universitário de Brasília
• Policlínica de Taguatinga
• Centro de Saúde 1 do Paranoá
• Centro de Saúde 1 do Recanto das Emas 
• Núcleo de Assistência à Família de Brazlândia

Paulo Cronenberger, da Agência Saúde DF