Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
17/02/16 às 18h16 - Atualizado em 30/10/18 às 15h14

Focos de dengue são eliminados em casas de acumuladores de lixo no Gama

COMPARTILHAR

Equipes visitaram três residências nessa situação nesta quarta-feira (17)

BRASÍLIA (17/2/16) – Dezenas de recipientes com larvas de mosquito – provavelmente de ovos depositados pelo Aedes aegypti – foram encontrados em duas residências de um total de três visitadas, nesta quarta-feira (17), no Gama. As casas fazem parte de uma lista com 18 endereços dos quais os donos são 'acumuladores' – pessoas que armazenam grande quantidade de resíduos e materiais inservíveis.

“A quantidade de lixo é tão grande que até dificulta o trabalho da vistoria. Apenas em uma casa foram encontrados dois baldes grandes, dois tambores e  diversos outros recipientes pequenos que acumulavam água da chuva e continham larvas. Nós aplicamos larvicida e tratamos todo o local “, informou o chefe da Vigilância Ambiental do Gama, Edson Rocha.

A ação contou com a parceria da Polícia Militar, Agência de Fiscalização, Bombeiros, entre outros órgãos. Os imóveis visitados estão localizados nas quadras 3, 4 e 9 do Setor Sul da região administrativa. Apesar do trabalho difícil de convencimento para que as equipes entrassem nas residências, a vistoria foi realizada e ficou acordado que os donos iriam dispensar os resíduos para serem recolhidos pelo Serviço de Limpeza Urbana (SLU), o que deve ocorrer nesta sexta-feira (19).

“Na casa da quadra 3 foi onde encontramos o maior número de recipientes com larvas. O trabalho foi mais difícil porque lá reside uma senhora de 62 anos que mora sozinha. Tivemos que aplicar larvicida e dispensar alguns recipientes”, relatou o chefe da Vigilância Ambiental, ao lembrar que o problema com a residência é antigo. Em 2011, em uma ação foram retirados três caminhões de entulho dessa residência.

A equipe também solicitou a presença da Defesa Civil no imóvel, em razão da quantidade de entulhos e telhado com muitos danos, o que propicia o acúmulo de água. “Vamos sugerir a demolição da moradia ou sua recuperação, porque há risco de desabamento. Além disso, há materiais que podem causar incêndios ou outros danos”, informou o major da Defesa Civil, Mário Furtado, que fará um relatório do caso que será levado para outros órgãos, como a Administração Regional.

“É um risco muito grande para todos nós. Moramos aqui, logo em frente, e tenho meu marido, filha e neta. Nossa casa é limpa, mas é necessário que todos façam sua parte”, afirmou a aposentada de 75 anos, Maria do Socorro Ferreira, que elogiou a ação.

Na terceira residência, o dono Valmir Gomes, 46 anos, assim como os demais, já havia recebido a visita das equipes outras vezes. Ele conta que está disposto a contribuir. “Eu concordo com a ação e já reduzi bastante a quantidade de lixo. Sei do perigo de manter esses materiais aqui”, disse. Embora tenha iniciado um trabalho de retirada dos entulhos, na casa de Valmir foram encontrados alguns focos, sendo um deles na caixa d'água.

O trabalho continuará sendo realizado nas demais residências. As larvas recolhidas serão encaminhadas para análise laboratorial.

ACUMULADORES – O perfil psicológico de um acumulador é complexo e caracteriza-se pelo hábito de guardar bens inservíveis como vasilhas, metais, sacolas, garrafas ou outros objetos que são encontrados em pontos sujos ou jogados nas ruas. Esses materiais ficam acondicionados nas residências acumulando água e geram criadouros para o mosquito.

Confira galeria de fotos.