Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
29/03/16 às 10h42 - Atualizado em 30/10/18 às 15h14

Força-tarefa de combate ao Aedes aegypti vistoria o Itapoã

COMPARTILHAR

Até sexta-feira (1º), militares e agentes da Vigilância Ambiental percorrem áreas residenciais e comerciais no bairro Del Lago

BRASÍLIA (29/3/16) – Nesta semana, a força-tarefa do governo de Brasília no combate ao Aedes aegypti — mosquito transmissor da dengue, do zika vírus e da febre chikungunya — ficará no bairro Del Lago do Itapoã. Setenta militares do Exército Brasileiro e 70 do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, além de cinco agentes da Diretoria de Vigilância Ambiental, da Subsecretaria de Vigilância à Saúde, da Secretaria de Saúde, compõem o grupo cujo objetivo é vistoriar cerca de 8,7 mil imóveis na área e orientar proprietários sobre os cuidados para evitar a proliferação do mosquito.

De acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde referente à semana de 13 a 19 de março, o Itapoã teve 264 casos confirmados de dengue. Em 2015 foram 19, no DF, 1.697 e 6.958 em 2016. As regiões de Brazlândia, Ceilândia, Taguatinga, São Sebastião, Samambaia e Planaltina são as que apresentam maior número de casos, com 4.072 ocorrências, ou seja, 59% dos registros.

FUMACÊS – Carros fumacês atuaram, na semana passada, no combate ao Aedes aegypti em quadras das seguintes regiões administrativas: Ceilândia, Gama, Guará I, Itapoã, Jardim Botânico, Lagos Sul e Norte, Núcleo Bandeirante, Planaltina, Recanto das Emas, Samambaia, Santa Maria, São Sebastião, Sobradinho, Sobradinho II e Taguatinga.

No Jardim Botânico, a força-tarefa visitou áreas residenciais, vistoriou locais abandonados e fez a limpeza da área comercial. Um grupo formado por 60 militares do Exército Brasileiro, da Força Aérea Brasileira e do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, além de agentes da Diretoria de Vigilância Ambiental, participou do trabalho de orientação e de verificação nas casas. Foram visitados 68.159 imóveis. Desses, 53.273 receberam inspeção e 14.528 estavam fechados. Em 358 residências houve recusa do morador.