Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
29/05/14 às 13h55 - Atualizado em 30/10/18 às 15h11

Fumo e álcool são fatores de risco para o câncer de boca

COMPARTILHAR

Especialista alerta sobre a importância do autoexame na prevenção

O câncer de boca é um tipo de câncer que geralmente ocorre nos lábios (mais frequentemente no lábio inferior), dentro da boca, na parte posterior da garganta, nas amígdalas ou nas glândulas salivares. Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer-INCA, esse é o oitavo câncer mais comum em homens e o nono em mulheres.

O chefe da Unidade de Cirurgia de cabeça e pescoço do Hospital de Base do Distrito Federal, Rondinelli Ribeiro, explica que os maiores fatores de risco são o tabagismo e o alcoolismo, especialmente se associados. “Aproximadamente 95% a 97% dos casos do câncer estão relacionados a eles. Outros fatores de risco estudados são: fatores genéticos, exposição ao sol (válido para tumores de lábio) infecções virais e traumatismo crônico por uso de próteses”, aponta.
A doença se manifesta por meio de uma ferida na boca, esbranquiçada ou avermelhada, não cicatrizável, dolorosa e persistente. O paciente também pode manifestar dificuldade para engolir, falar ou aumento de linfonodos cervicais.

O diagnóstico precoce da doença pode ser feito por meio de um autoexame, que consiste em observar, no espelho todas as regiões da boca. “Se você sentir dor, desconforto ou, principalmente se estiver dentro dos fatores de risco, deve fazer o autoexame com frequência. As lesões chamadas iniciais, ou pré-neoplásicas, são de dois tipos: a leucoplasia e a eritroplasia. A leucoplasia é definida como uma lesão esbranquiçada, não destacável, que não melhora após a remoção dos fatores causais e apresenta chance de se transformar em câncer que varia entre 0,25% a 30%. Já a eritroplasia é mais rara e perigosa, consistindo numa lesão avermelhada da mucosa que, ao ser analisada ao microscópio, costuma já apresentar células cancerígenas”, esclarece Rondinelli.

Serviço

Na presença de alguma lesão de boca, o paciente deve procurar um clínico geral, um dermatologista ou um cirurgião de cabeça e pescoço. Além disso, cada vez mais os dentistas se dedicam à prevenção e ao diagnóstico precoce de câncer de boca de forma que também podem ser procurados na presença de lesões suspeitas.

A doença é basicamente de tratamento cirúrgico, pois a cirurgia oferece as melhores chances de cura. Existem também tratamentos baseados em quimioterapia e radioterapia, podendo ser combinado uns com os outros.

O HBDF é o centro de referência no tratamento da especialidade de cirurgia de cabeça e pescoço. Mensalmente dispõe de 16 salas cirúrgicas (oito dias divididos em dois períodos, matutino e vespertino). Para internação, a unidade dispõe de quatro leitos regulares situados no 5° andar do bloco de internação.

Bianca Lima, Agência Saúde DF