Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/10/13 às 12h16 - Atualizado em 30/10/18 às 15h08

Hospitais públicos de Brasília têm atendimento nutricional positivo

COMPARTILHAR

Dados foram publicados por nutricionistas da SES-DF em revista da Europa

Cinco nutricionistas da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES/DF) publicaram trabalhos científicos na revista européia Clinical Nutrition. Os trabalhos mostram a boa qualidade da terapia nutricional da SES/DF. Os profissionais desenvolveram os estudos baseados nas realidades dos hospitais de Base do DF, Regional de Santa Maria e Regional da Asa Norte.

Os temas focaram a influência da imunonutrição (nutrientes dos alimentos com potencial farmacológico na imunidade do organismo) em pacientes com câncer. O objetivo do trabalho foi verificar o benefício da concentração de albumina (proteína presente no sangue) na dieta dos pacientes oncológicos.

O resultado mostra que a imunonutrição aplicada aos pacientes da clínica cirúrgica do HBDF influencia positivamente na melhora e na recuperação do paciente. Todos eles, nos pós-cirúrgicos, no trauma e internados nas UTI´s dos hospitais da rede pública de saúde já recebem a imunonutrição.

Outro estudo importante publicado pela equipe foi no controle de prontuários eletrônicos dos hospitais. “Iniciamos um processo de auditoria em prontuário que contribui com a Terapia Nutricional. Atuamos diretamente na relação de custo benefício, sem perder a qualidade do tratamento”, disse Guilherme Duprat, nutricionista do HBDF.

“O estudo foi de vital importância para podermos avaliar o nosso trabalho nutricional nos hospitais. Verificamos um resultado positivo no tratamento ao paciente”, destaca Henrique Abreu, nutricionista do Hospital de Santa Maria.

Outra pesquisa publicada foi a análise nutricional e de registros constados no sistema “Track Care”, que demonstrou a adesão ao prontuário eletrônico e bom nível de qualidade da terapia nutricional.

“Foram verificados 1.029 pacientes. Desse total, 60,2% estavam em condição de risco nutricional, quadro inevitável por causa da doença. Outros 77% haviam sido avaliados em seu estado nutricional e 42% foram avaliados mais de uma vez. Um ponto importante é que 88% dos pacientes já possuíam um registro de peso corporal, dado superior ao padrão mundial”, avalia Guilherme Duprat.

Os servidores que elaboraram o trabalho foram Guilherme Duprat Ceniccola, Henrique Barbosa Abreu, Renata Fortes, Larissa Barbosa e Bruna Toscano, todos da SES/DF.

Para visualizar os trabalhos publicados, clique em: http://www.journals.elsevier.com/clinical-nutrition/

Alessandra Franco e José Roberto Bueno