Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/06/14 às 21h19 - Atualizado em 30/10/18 às 15h11

Hospital da Criança recebe visita do Brasília Vôlei

COMPARTILHAR

Equipe distribuiu bolas e camisas autografadas

O Hospital da Criança de Brasília José Alencar (HCB) recebeu, nesta quarta (18), a visita da equipe feminina do Brasília Vôlei. As jogadoras conheceram o local e a proposta de cuidado e atendimento humanizado do hospital.

O Diretor Executivo do Hospital da Criança, Renilson Rehem, falou sobre a importância do relacionamento esporte-saúde. “Nós temos que nos relacionar com a comunidade. É importante para nós divulgarmos nosso serviço e mostrarmos o lado positivo da saúde”, ressalta.

A ex-jogadora da Seleção Brasileira de Vôlei e atual diretora do Brasília Vôlei, Leila Barros, se emocionou ao falar da instituição. “Eu saio daqui revigorada. A gente aprende a amar, a respeitar, e recebe lições de superação quando visitamos locais como o HCB”, diz.

As jogadoras assistiram a um vídeo institucional e seguiram para a recepção, onde se apresentaram às crianças, mães e funcionários. O treinador do Brasília Vôlei, Sérgio Negrão, distribuiu bolas de voleibol e camisas da equipe autografadas pelo time.

Hospital da Criança

Com 7.000m², o Hospital da Criança de Brasília José de Alencar atende, em média, 7.000 crianças (de 0 a 18 anos) por mês, em mais de 20 especialidades pediátricas. Todos os pacientes são encaminhados de outros hospitais ou de centros de saúde, pois o HCB não possui emergência.

O hospital conta com 20 leitos e internação para pacientes com câncer, além de aparelhos de tomografia e de hemodiálise. “Nós esperamos ampliar a área do hospital em breve, de 7.000m² para 29.000m² e de 20 para 200 leitos. Assim, poderemos realizar grandes cirurgias e transplantes com facilidade”, explica Renilson.

Iniciativas

O HCB realiza diversas ações para promover o esporte e a saúde com as crianças e seus parentes. Além da visita da equipe do Brasília Vôlei, miniaturas de jogadores de futebol foram distribuídas aos pequenos pacientes.

”Nós tentamos tornar o clima do hospital o menos ‘hospital’ possível. Com a ajuda de parceiros, também esperamos distribuir 1.000 bolas de futebol em breve”, comemora Renilson.

Paulo Cronemberger, da Agência Saúde DF