Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
29/05/13 às 14h41 - Atualizado em 30/10/18 às 15h05

Hospital de Campanha atende 2.724 pessoas e reduz em 40% o resultado positivo da dengue

COMPARTILHAR

O resultado demonstrou que 74,21% dos atendimentos são de moradores do Entorno


O Hospital de Campanha, que atendeu os moradores de Brazlândia até a última terça-feira (28), realizou 2.724 atendimentos, o que demonstrou no resultado final uma queda de 40% no resultado positivo da dengue em comparação com a primeira semana.

 

“Fortalecer o SUS no âmbito do DF e prestar assistência médica à população durante a fase mais agressiva da epidemia de dengue que afeta diretamente os municípios vizinhos de  Brazlândia. Esses foram os resultados obtidos com a atividade do Hospital de Campanha da Força Nacional do SUS na região administrativa de Brazlândia”, afirmou o coordenador-geral de Saúde, Paulo Lisbão.

 

O SUS é de todos os que precisam e, neste momento, a decisão de convocar a Força Nacional mostrou-se acertada – acrescentou o coordenador.  A ação, resultou em alívio do Pronto Socorro do HRBz, que não dava conta do repentino aumento de procura pela população, observado nas últimas semanas de abril. A Força Nacional foi instituída pelo Ministério da Saúde para atuar em conjunto com as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde em epidemias e catástrofes.

 

Nos 26 dias de atividade, o HCAMP atendeu 2.724 pacientes, diagnosticou 1.009 casos positivos e confirmou que a maioria absoluta desses casos – 74,21% – é moradora do Entorno, principalmente, Águas Lindas-GO.

Na última semana houve redução de 40% no número de casos confirmados. Ou seja, a grande maioria dos que procuraram o Hospital Regional de Brazlândia com os sintomas compatíveis com a dengue não estava contaminada e seus sintomas se deviam a outros fatores. 52 % das consultas prestadas na última semana foram de retorno para acompanhamento clínico-laboratorial.

A tendência de queda no número de casos novos de dengue é aguardada desde o início do período de estiagem, já que a propagação do mosquito transmissor é facilitada pela presença de água. A única justificativa para a resistência desta epidemia é a existência de lixo e pontos de acúmulo de água. 80% desses focos se dão nas residências e outras edificações.

 Sheila Perru