Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
4/02/15 às 10h21 - Atualizado em 30/10/18 às 15h11

HRAN é referência em tratamento de psoríase

COMPARTILHAR

Equipe especializada atende mais de 300 pacientes  

BRASÍLIA (4/2/15) – O Hospital Regional da Asa Norte (HRAN) é referência no tratamento da psoríase – doença de pele comum entre as pessoas. No DF, estima-se que de 24 a 48 mil pessoas sofram do problema. O HRAN é responsável pelo acompanhamento de mais de 300 pacientes que possuem a enfermidade em estado moderado ou grave.

A coordenadora do ambulatório de psoríase do HRAN, Letícia Oba, comemora o êxito do tratamento da doença no hospital. “A cada ano, o número de pacientes que tratamos aumenta. Todos os nossos pacientes são cadastrados e há um acompanhamento, principalmente com relação à administração de remédios”.

De acordo com a médica, o hospital possui uma equipe preparada para o atendimento. “A equipe conta com duas dermatologistas, oito residentes e uma psicóloga. Nós buscamos, durante o tratamento, também eliminar o preconceito, pois muitos acreditam que a doença seja contagiosa devido às manchas da pele”, explica.

Não se sabe as causas da doença, mas pesquisas científicas demonstram que, em 30% dos casos, o fator genético está envolvido. No entanto, o estresse emocional, traumas ou irritações na pele, infecções na garganta, baixa umidade do ar, uso de cigarro ou alguns medicamentos podem aumentar ou iniciar a doença.

Os sintomas principais da doença são lesões vermelhas e elevadas na pele, podendo causar descamação, principalmente nas regiões dos cotovelos, joelhos e couro cabeludo. “Se não tratada, a psoríase em casos moderados e graves pode evoluir para problemas nas articulações e em um comprometimento sistêmico do paciente”, complementa a médica.

Tratamento – Nos casos mais leves, são prescritos medicamentos como pomadas, loções, xampus ou géis. Em casos mais avançados, são indicados sessões de fototerapia e medicamentos de uso oral ou injetável. “A psoríase não tem a cura, mas com o tratamento adequado, pode reduzir os sintomas”, aponta Letícia.

O ambulatório de psoríase do HRAN funciona às segundas-feiras, nas manhãs e tardes. O paciente que tiver suspeita da doença deve se encaminhar ao Centro de Saúde mais próximo à residência, a fim de ser diagnosticado por um dermatologista da Rede de Saúde. Caso confirmada a psoríase, o paciente será encaminhado ao HRAN para tratamento especializado.