Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
19/03/18 às 10h55 - Atualizado em 30/10/18 às 15h19

HRT substituirá caldeiras por aquecedores elétricos

COMPARTILHAR

Esse é o quinto hospital público contemplado com a troca dos equipamentos

BRASÍLIA (19/3/18) – O Hospital Regional de Taguatinga (HRT) começou o processo de substituição das caldeiras por aquecedores elétricos. Os novos equipamentos já foram instalados e ficarão em teste pelos próximos 30 dias. Somente depois da constatação de que tudo está funcionando corretamente as caldeiras serão desativadas.

Os quatro aparelhos elétricos instalados irão aquecer toda a água a ser utilizada no HRT, quinto hospital da rede pública a desativar as caldeiras. A troca ocorreu nos hospitais da Asa Norte, Ceilândia, Brazlândia e Sobradinho.

“O HRT usa caldeiras desde sua inauguração. Atualmente, temos duas movidas a óleo BPF, que gera fumaça branca. Elas são utilizadas para aquecer a água utilizada na lavanderia, banho de pacientes e também para vapor na lavanderia”, disse o diretor administrativo da Região Sudoeste, Paulo Henrique Horovits, ao ressaltar que o novo sistema de aquecedores é moderno e não polui o meio ambiente.

O investimento para a troca dos equipamentos foi de R$ 100 mil, verba proveniente de contrapartida de hospital de ensino, já que a unidade recebe estudantes de diversas áreas.
De acordo com a subsecretária de Infraestrutura em Saúde (Sinfra), Liliane Menegotto, a previsão é que o Hospital Materno Infantil de Brasília seja o próximo hospital a desligar as caldeiras.

OUTRAS UNIDADES – No ano passado, o Hospital Regional da Asa Norte (Hran) desligou definitivamente suas caldeiras. Com baixo custo de manutenção e mais eficiência, a modernização consistiu na instalação de dois aquecedores de passagem.

Em 2016, outros três hospitais desligaram seis caldeiras: Ceilândia, Brazlândia e Sobradinho. Para isso, as unidades substituíram os chuveiros por elétricos, adquiriram autoclaves elétricas e, no caso da lavanderia, os processos passaram a ser realizados com água fria, utilizando um produto que dispensa aquecimento para higienização. A exceção é Sobradinho, onde o serviço de lavanderia foi terceirizado.

Outros hospitais que também dependem de caldeiras devem ser modernizados: Base, Paranoá, Gama, Planaltina e Santa Maria. Enquanto não ocorre a desativação, já está em andamento pela Novacap uma licitação para garantir manutenção preventiva e corretiva das caldeiras em funcionamento na unidade.