Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
4/04/13 às 14h39 - Atualizado em 30/10/18 às 14h58

HRT tem aparelho para mapear o fígado

COMPARTILHAR

Exame sem corte ou perfuração

Fotos: Renato Araújo

O Hospital Regional de Taguatinga já conta com um aparelho para o mapeamento de fígado (Fibroscan). O equipamento foi oficialmente entregue, pelo secretário de Saúde Rafael Barbosa, durante visita ao hospital na última quarta-feira (03). Ele também acompanhou o uso do novo equipamento, que realiza o exame de elastografia hepática, sem a necessidade de corte e nem perfuração no fígado, no ambulatório de gastroenterologia.

Com a aquisição, o HRT, que é especializado em atendimento de endoscopia digestiva e referência no tratamento de hepatite, será a primeira unidade do Sistema Único de Saúde – SUS a realizar o exame em paciente que está acometido de alguma patologia no fígado, principalmente àqueles que têm doença gordurosa não alcoólica (esteatose não alcoólica ou NASH). O mapeamento dura de cinco a dez minutos e analisa uma área 100 vezes maior do fígado, quando comparado à biopsia, diminuindo a chance de erro por amostragem.

O secretário visitou, também, a unidade do Programa de Pé Diabético, conversou com os profissionais e discutiu com eles as diretrizes clínicas da utilização da bomba de insulina, no tratamento de diabetes dos pacientes da Rede Pública de Saúde do DF.

O secretário de saúde destacou a importância dos dois serviços implementados no HRT. “Estamos diante de dois modelos de excelência em assistência médica implantados no Distrito Federal. Com a utilização dessas novas tecnologias, o ganho será do paciente”, disse. 

Para o coordenador-geral de Saúde de Taguatinga, Otávio Augusto de Siqueira, o uso do Fibroscan é uma conquista para a qualidade de vida do paciente. “Por ser um exame não invasivo e indolor, podemos realizar o atendimento ao paciente no consultório médico, sem necessidade de internação”, destaca.

Rafael Barbosa também conheceu as instalações do parquinho da pediatria, que atende em média cerca de 60 crianças que estão internadas.

Claudete Nascimento