Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/05/20 às 8h30 - Atualizado em 27/05/20 às 14h31

HRT zera fila de cirurgias urológicas

COMPARTILHAR

Somente em 2020, foram realizados 52 procedimentos de alta complexidade

 

 JURANA LOPES, DA AGÊNCIA SAÚDE  

 

Fotos: Breno Esaki/Agência Saúde

O Hospital Regional de Taguatinga (HRT) tem realizado cada vez mais cirurgias urológicas e, com isso, já conseguiu zerar a fila de espera pelo procedimento que, muitas vezes, é essencial para o combate ao câncer.

 

De janeiro até abril de 2020, foram realizado um total de 52 cirurgias urológicas de alta complexidade.

 

O secretário de Saúde, Francisco Araújo, ressalta que essa melhoria na assistência do HRT “só foi possível graças aos investimentos que estão sendo feitos em saúde pelo governo Ibaneis, e pelo empenho e dedicação dos profissionais de saúde daquela unidade. É bom frisar que mesmo enfrentando a pandemia da Covid-19, as cirurgias eletivas não pararam e não vão parar”. Ele acrescenta que “a Secretaria de Saúde tem dado todo o apoio e condições para que rede de saúde pública atenda cada vez melhor e de forma humanizada a população do Distrito Federal”.

 

O diretor do HRT, Wendel Moreira, explica que “a complexidade de cirurgias realizadas neste ano é muito maior. Foram feitas cistectomias e ressecções por exemplo, cirurgias de grande porte e muito complexas. Até o ano passado, fazíamos cirurgias bem menores e mais simples”.

 

A maior disponibilidade de leitos de retaguarda possibilitou a ampliação do número de cirurgias, zerando a fila em 2020.

 

“Temos leitos de UTI para retaguarda, que são utilizados pelos pacientes nas primeiras 24h a 48h pós-cirurgia. Com a pandemia, estamos utilizando somente um leito de UTI. Mesmo assim, isso possibilita a realização de mais procedimentos cirúrgicos”, informa.

 

Segundo Wendel, são cirurgias complexas, que duram de dez a doze horas. Mesmo com a pandemia, os procedimentos mais graves continuam sendo atendidos normalmente. “A fila de pacientes foi zerada e a meta agora é captar mais pacientes que estejam precisando”.