Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/05/16 às 18h20 - Atualizado em 30/10/18 às 15h15

ICDF fica em primeiro lugar no ranking de transplantes de coração

COMPARTILHAR

Entre janeiro e março deste ano foram realizadas 11 cirurgias.   

BRASÍLIA 18/05/16 – O Instituto de Cardiologia do Distrito Federal – ICDF – foi o hospital que realizou o maior número de transplantes cardíacos em números absolutos nos três primeiros meses do ano. O resultado foi divulgado nesta semana pela Associação Brasileira de Transplante de Órgãos – ABTO. A equipe médica da instituição realizou, entre janeiro e março de 2016, 11 transplantes de coração.

O ICDF também ocupou a primeira colocação em relação aos transplantes de fígado e medula óssea na categoria “por milhão de habitantes”. No que diz respeito aos transplantes renais, a instituição ficou em segundo lugar. O ICDF realizou seu primeiro transplante em 2009 e, até agora, já foram feitos mais de 620 transplantes (coração, rim, fígado, córnea, medula óssea e pulmão). Além de uma nova oportunidade de viver, os transplantes de órgãos permitem que os pacientes tenham mais qualidade de vida.

De acordo com a superintendente do ICDF, Núbia Welerson Vieira, os números da pesquisa revelam o empenho da equipe de transplante da instituição. “Estamos felizes com esse resultado, pois ele mostra a dedicação de cada profissional e também a confiança dos pacientes na instituição. Sem eles, nada disso seria possível”, afirma. “No que depender de nós, aumentaremos ainda mais o número de transplantes. Nosso compromisso é com a vida e o bem-estar dos nossos pacientes”, diz Núbia.

Os números divulgados pela ABTO revelaram ainda uma queda no número de transplantes de órgãos. “Enquanto que no ano passado houve estagnação nos transplantes de órgãos, exceto o transplante cardíaco, que continuou aumentando, neste trimestre, houve diminuição do número de todos os transplantes, exceto o pulmonar”, afirma um trecho da publicação. “Precisamos falar da importância da doação de órgãos todo tempo. Isso não pode cair no esquecimento. A conscientização da sociedade acerca do assunto já aumentou bastante, mas precisamos avançar ainda mais”, destaca a superintende do ICDF.

O resultado completo da pesquisa está disponível aqui :