Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
5/09/19 às 13h03 - Atualizado em 5/09/19 às 17h56

Jornadas destacam importância de se prevenir suicídio e Síndrome de Burnout

COMPARTILHAR

Eventos esclarecem profissionais de saúde sobre os temas

 

Residentes, profissionais de saúde e gestores participaram, nesta quinta-feira (5), da abertura da III Jornada de Prevenção ao Suicídio e da I Jornada de prevenção do Burnout. Os eventos, promovidos pela equipe do Hospital de Base, continuarão até esta sexta-feira (6).

 

O objetivo é informar e alertar os profissionais sobre a importância de identificar, precocemente, os comportamentos de risco para o suicídio. Desta forma, é possível orientar sobre os encaminhamentos devidos aos casos, para que as campanhas e ações de prevenção sejam, de fato, efetivas e reduzam as taxas de suicídio no Brasil.

 

“Sabemos, no momento, que 98% dos casos acontecem devido a transtornos mentais, dos quais a depressão é a maior causa. Então, trabalhar, estudar e debater o assunto é muito importante”, afirmou o secretário de Saúde, Osnei Okumoto. Ele destacou o trabalho “em todas as sete superintendências de Saúde, por meio de jornadas específicas como estas, para organizar e oferecer um melhor atendimento”.

 

Além disso, as jornadas também são essenciais para divulgar a recente Lei nº 13.819/2019, que institui a Política Nacional de Prevenção da Automutilação e do Suicídio, a ser implementada em todo o país. A ideia é estimular o cuidado com a saúde do trabalhador, em especial dos profissionais de saúde e dos educadores, para prevenir a Síndrome de Burnout, distúrbio psíquico de caráter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intensos.

 

Presente ao evento, o ministro da Cidadania, Osmar Terra, recebeu uma homenagem pela autoria da Lei nº 13.819. “A questão do suicídio tem de ser tratada em vários sentidos, assim como a Síndrome de Burnout, que podem ser detectados pelas equipes de saúde de forma precoce. Assim como um professor em uma escola também pode desconfiar e informar, para ter o acompanhamento daquela pessoa e evitar o suicídio ou a automutilação”, ressaltou.

 

O representante do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF), no qual o Hospital de Base está inserido, também marcou presença na cerimônia de abertura. “É uma honra o instituto participar desse momento, porque demonstra, claramente, a nossa preocupação com essa causa. Cada colaborador da saúde, que trabalha para prevenir o suicídio, é um verdadeiro anjo”, elogiou o diretor-presidente do Iges-DF, Francisco Araújo.

 

CRONOGRAMA – Nos dois dias do seminário serão feitas conferências e sessões temáticas sobre assuntos relacionados, tais como suicídio como emergência médica, autointoxicações, álcool e suicídio, e mitos e verdades sobre os psicotrópicos. No dia 6 de setembro, haverá uma apresentação do primeiro lugar entre os trabalhos científicos escritos sobre os temas suicídio e síndrome de Burnout.

 

A escolha dos melhores foi feita em 2 de setembro. Foram avaliados e selecionados para serem apresentados os três melhores trabalhos. O primeiro lugar foi escolhido para fazer a apresentação oral no último dia de jornada.

 

SUICÍDIO – Esta é a segunda maior causa de mortes no mundo. O Brasil é o oitavo país no planeta com o maior número absoluto de suicídios. Transtornos mentais estão presentes em cerca de 98% das pessoas que tiram a própria vida, sendo a depressão o principal deles.

 

O dia 10 de setembro é lembrado como o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. Durante este mês, várias instituições têm organizado ações em todo o Brasil como parte da Campanha Setembro Amarelo, uma iniciativa da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e do Conselho Federal de Medicina (CFM).

 

 

Leandro Cipriano, da Agência Saúde
Fotos: Breno Esaki/Saúde-DF