Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/04/17 às 17h34 - Atualizado em 30/10/18 às 15h17

Lacen comemora 39 anos com inauguração de reforma

COMPARTILHAR

Governo investiu R$3,5 milhões em obras no órgão

BRASÍLIA (26/4/17) – Com a inauguração de dois mil metros quadrados de área construída reformados, o Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal (Lacen) completou 39 anos de funcionamento, nesta quarta-feira (26). A obra, no valor de R$3,5 milhões, foi inaugurada pelo governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, acompanhado do secretário de Saúde, Humberto Fonseca.

Os setores beneficiados com o investimento são responsáveis por realizar, anualmente, cerca de 400 mil exames para detecção de doenças como HIV e dengue, bem como por analisar 12 mil ensaios de água e alimentos para atestar a qualidade. A sala de desinfecção, por onde passam as amostras antes de serem examinadas, também foi reestruturada.

“Essa é uma instituição de grande importância e que nunca tinha recebido uma reforma desse porte, ao longo dos 39 anos, para melhorar as condições de trabalho. Essa obra, aliada à tecnologia e à capacidade técnica dos servidores, contribuirá para todo o sistema de saúde pública do DF”, destacou Rollemberg.

O secretário de Saúde ressaltou que o Lacen é referência para o Brasil inteiro. Segundo ele, o padrão de excelência da unidade permite fornecer resultados de diagnósticos precisos para fazer o planejamento de tratamento de doenças, e também para elaborar as políticas públicas de saúde.

“Diferentemente dos hospitais, que fazem exames emergenciais, esse laboratório realiza diagnósticos de alta complexidade para identificar doenças como HIV/Aids, hepatites, dengue, zika e chikungunya. No último ano, também ampliamos a realização de exames para os vírus mayaro e HPV”, disse Fonseca. Segundo ele, a meta é fazer com que o Lacen realize 500 mil exames por ano.

REFORMA – O gerente de Biologia Médica, Jorge Chamon, explicou que o setor, um dos beneficiados pela reforma, é responsável por diagnosticar também patologias como H1N1, febre amarela, meningite e tuberculose. “Ao todo, são 121 exames diferentes, informou.

Na Biologia Médica, os núcleos de Parasitologia e Micologia e o de Técnicas Especiais sofreram intervenções. “Também foi criado um espaço para biologia molecular que funcionará para identificar resistência bacteriana, bem como outros diagnósticos virais”, citou.

Gerente de Controle de Qualidade de Produtos e Ambientes, Leandro Maurício e Silva explicou que o setor recebeu reparos nos laboratórios que realizam a análise de carnes, leite, bebidas e água, microbiologia de alimentos, microscopia, vegetais e panificações, aditivos, metais pesados e microtoxinas, entre outros.

“O trabalho realizado nesses locais é de extrema importância, já que verifica possíveis contaminações de produtos que podem prejudicar a saúde de quem consumi-los”, explicou.

COMEMORAÇÃO – Além da inauguração dos espaços reformados, também houve corte de bolo e entrega de placas em homenagem a servidores que contribuíram ao longo dos anos com o seu trabalho e conhecimento técnico no Lacen.

Também estavam presentes no evento o secretário-adjunto de Cidades, Tiago Coelho; o coordenador-geral de Laboratórios de Saúde Pública do Ministério da Saúde, Osnei Okumoto; a gerente-geral de Laboratórios de Saúde Pública da Anvisa, Laís Dantas, entre outras autoridades.

Confira aqui as fotos.