Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/01/18 às 10h10 - Atualizado em 30/10/18 às 15h18

Mais de 1,4 mil servidores ingressaram na Saúde em 2017

COMPARTILHAR

Novos profissionais contribuíram para reforçar o atendimento na rede pública

BRASÍLIA (9/1/2018) – Ao longo de 2017, um total de 1.476 profissionais aprovados em concurso público tomaram posse e ingressaram no quadro de servidores da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF). Dessa quantia, a maior parte (891) entrou como técnico em saúde, sendo que a maioria deles foi em enfermagem, que totalizou 474 profissionais.

Um número também expressivo foi com relação aos médicos, que somaram 306 admitidos neste ano. Nesse campo, a categoria com mais contratações foi a dos médicos da família e comunidade, que teve 119 servidores na rede pública de saúde em 2017 – 92 a mais que em 2016.

Segundo a diretora de Planejamento, Monitoramento e Avaliação do Trabalho, Barbara Rocha, o objetivo de contratar mais médicos dessa especialidade é atingir o modelo proposto pelo projeto Converte, que pretende ampliar a cobertura de Saúde da Família no DF para 75% até a metade do ano que vem, alcançando 100% de cobertura nas regiões mais carentes.

“As contratações contribuíram muito no sentido de formar equipes e ampliar a cobertura do novo modelo. Nossa expectativa é que, com essas novas admissões de médicos da família e comunidade, já possamos atingir 67,5% [da cobertura]. Com isso, o maior benefício é a melhora na assistência à população”, comentou Rocha.

Ainda segundo a diretora, o cadastro reserva de médicos aprovados no concurso de 2014, em várias especialidades, foi zerado em 2016 e 2017. Dessa forma, a Secretaria de Saúde tem conseguido suprir as carências de mais servidores na rede pública, seja com concursos ou com a ampliação da carga horária.

“Estamos conseguindo ampliar a cobertura do novo modelo de Estratégia Saúde da Família. Consequentemente, iremos conseguir melhorar os atendimentos e desafogar as emergências e a ocupação em leitos, tanto os normais como os das unidades de tratamento intensivo (UTIs)”, ressaltou a diretora.

REFORÇO – Para a diretora de Enfermagem da SES-DF, Josethe Gonçalves, a vinda dos 474 técnicos em enfermagem, mais 46 enfermeiros e sete enfermeiros do trabalho, foi essencial para a rede pública de saúde do Distrito Federal. Com eles, foi possível abrir UTIs que estavam fechadas por falta de pessoal e fortalecer o atendimento das unidades de internação.

“Tínhamos um déficit enorme e, com a lotação de novos servidores, melhorou muito a qualidade do atendimento. Com esses novos servidores, vamos conseguir também fechar as equipes da atenção primária na Região Leste”, disse Gonçalves.

CONVERTE – O projeto em curso no DF prevê uma divisão das áreas de cobertura, de modo que cada grupo de 3.750 pessoas passe a ser atendido sempre pela mesma Equipe de Saúde da Família (ESF). Cada equipe é formada por um médico, um enfermeiro, técnicos de enfermagem, equipe de saúde bucal e agentes comunitários de saúde.

Como essa equipe vai atender sempre o mesmo grupo de pessoas, passa a conhecer mais profundamente seus problemas de saúde, atuando especificamente para saná-los e para prevenir que se agravem. Com as famílias atendidas dessa forma, desafogam-se as filas nas emergências dos hospitais. Todo o sistema passa funcionar de forma mais humana e mais efetiva.

Para mais informações, conheça o projeto de conversão da Atenção Primária em Estratégia Saúde da Família.