Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
22/02/19 às 13h45 - Atualizado em 25/02/19 às 9h16

Orquestra Sinfônica emociona pacientes em unidade de saúde

COMPARTILHAR

 

 

CAPS do Riacho Fundo recebeu a primeira edição do projeto Concertos da Saúde

 

 

Ao som do Quarteto de Cordas da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Cláudio Santoro, pacientes e servidores do Centro de Atenção Psicossocial (Caps) 1, do Riacho Fundo I, tiveram uma manhã diferente nesta sexta-feira (22). Eles puderam acompanhar, de perto, a apresentação dos músicos, ação que integra o projeto Concertos da Saúde.

 

Fruto de uma parceria entre as secretarias de Cultura e Saúde, o projeto fez, hoje, a primeira apresentação de 2019. Elas serão realizadas quinzenalmente e, diferentemente do cronograma executado em 2018, que levou música aos hospitais da rede, nesta etapa serão contemplados os serviços de saúde mental da pasta localizados em diversas regiões administrativas.

 

Em cada edição a apresentação será diferente. A escolha dos instrumentistas e do formato da apresentação fica a cargo da Orquestra Sinfônica, capitaneada pelo maestro Cláudio Cohen.

 

EMOÇÃO – Por todos os locais em que passou, o projeto Concertos da Saúde emocionou quem se deixou tocar pelas notas musicais e melodias. Fundada pelo maestro e compositor Claudio Santoro, a Orquestra, em 2019, completa 40 anos.

 

Com milhares de concertos realizados, temporadas de ópera e ballet, a instituição, que já fez apresentações internacionais, leva alegria aos pacientes, acompanhantes e profissionais de saúde. No Caps do Riacho Fundo, por exemplo, aproximadamente 60 pessoas acompanharam, ao ar livre, a apresentação, e se encantaram com o som dos instrumentos de cordas.

 

Os benefícios da utilização de música nas unidades de saúde são muitos. As notas musicais ajudam, por exemplo, no relaxamento, melhora a coordenação motora e aguça os sentidos.

 

“Nos dias atuais comprovam-se, pelas pesquisas científicas, os benefícios que a música clássica e também músicas instrumentais suaves proporcionam. Elas podem atuar no corpo e mente, como auxiliares no tratamento de várias doenças e também ajudam a melhorar nosso QI”, finalizou a diretora de Serviços de Saúde Mental, Elaine Bida.

 

 

Fábio Magalhães, da Agência Saúde

Fotos: Gerson Freitas