Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
7/06/16 às 17h00 - Atualizado em 30/10/18 às 15h15

Paciente recebe coração artificial

COMPARTILHAR

Cirurgia inédita na Região Centro Oeste foi realizada pelo ICDF

BRASÍLIA (7/06/16) – O Instituto de Cardiologia do Distrito Federal – ICDF – se orgulha de mais uma conquista. A equipe médica do hospital implantou o primeiro coração artificial (dispositivo de assistência ventricular prolongada) da Região Centro-Oeste em um paciente do sexo masculino de 26 anos. Ele era portador de miocardiopatia dilatada em fase avançada. A doença atinge o músculo do coração e impede o bombeamento adequado de sangue para o corpo, causando complicações como arritmias, coágulos de sangue e até mesmo morte súbita.

A cirurgia durou cerca de oito horas e foi realizada com sucesso. O paciente já teve alta do ICDF e está bem de saúde. “Hoje eu posso dizer que eu tenho uma nova oportunidade de viver. O que eu passei desde que descobri a doença foi muito difícil. Hoje ter um aparelho que me permite viver e viver bem é uma coisa maravilhosa”, relata o paciente. “Agora eu quero voltar a fazer as minhas coisas. Quero voltar a cozinhar. Estou doido para fazer uma galinhada. Comida de hospital não tem sal”, brinca o paciente.

A avaliação clínica realizada pelos médicos do ICDF revelou que o paciente tinha contraindicação ao transplante cardíaco devido à presença de pressões elevadas no território pulmonar. Dois dias após o diagnóstico, ele sofreu parada cardíaca e foi reanimado com sucesso. Entretanto, o coração que já era debilitado, tornou-se muito mais fraco. Dessa forma, houve a necessidade de implantar um aparelho para manter temporariamente a circulação e a vida do paciente. Esta conduta foi crucial na estabilização do quadro clínico do paciente, que manteve este aparelho de circulação por 19 dias até a colocação do coração artificial implantável.

O aparelho implantado é conhecido popularmente como “coração artificial”. Ele é acoplado ao coração do próprio paciente e comandado por um controlador externo, mantido por baterias recarregáveis. Dessa forma, o paciente possui ampla mobilidade e pode se locomover normalmente. O coração funciona de modo semelhante a um aparelho de celular. Quando a bateria do equipamento está descarregando, o paciente a coloca para carregar e faz a substituição por uma outra com carga completa.

Para o cirurgião responsável pela cirurgia, doutor Fernando Atik, a qualidade do procedimento realizada e a recuperação rápida do paciente se devem a uma soma de fatores. “O segredo do sucesso do tratamento deste paciente foi um trabalho árduo e organizado, de uma equipe multiprofissional habituada a atender pacientes graves em um centro de transplante cardíaco, como o ICDF”, destaca Fernando Atik.