Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/11/13 às 12h02 - Atualizado em 30/10/18 às 15h09

Pacientes com insuficiência renal podem receber terapia em casa

COMPARTILHAR

Parceria entre Ministério da Saúde e Secretaria de Saúde melhora qualidade de vida de pessoas com a doença

Pessoas que sofrem com a perda da função renal e precisam de hemodiálise (filtragem do sangue por meio de veia do braço) ou diálise peritoneal (filtragem do sangue feita por aparelho conectado à região da barriga) podem receber tratamento em casa. O atendimento existe desde 2012 no DF e inclui tratamento domiciliar com treinamento, aparelhos e medicações.

São, em média, 45 pacientes residentes de diversos locais do DF que recebem mensalmente 13 sessões da terapia de diálise peritoneal em casa. Já a hemodiálise, com acesso venal, é feita nos hospitais, pois o aparato tecnológico é maior e mais complexo.

Em outubro, foram 296 pacientes que receberam a terapia domiciliar e do ano de 2011 a setembro de 2013, foram realizados 580 sessões de diálise aos pacientes que receberam a terapia em diversas residências de Brasília. Além disso, foram feitas 13.491 sessões de hemodiálise nos hospitais da rede: Taguatinga, Sobradinho, Santa Maria, Gama e Hospital de Base.

“O objetivo é aumentar os números, pois o dia a dia de um paciente com esse tipo de doença já é muito difícil. Quando ele pode se tratar em casa, o processo fica menos árduo, ele consegue encarar melhor a terapia, a qualidade de vida aumenta e com a mesma qualidade na terapia”, destaca Odimary Oliveira, chefe da Unidade de Nefrologia do HBDF. “Os casos graves e os que ainda precisam de treinamentos antes de levar a terapia para casa, devem ser avaliados pela triagem médica”, informa a especialista.

Além do tratamento em casa, a intenção é passar alguns cuidados na área da cardiologia e respiratória para o domicílio. Outro ganho com a terapia domiciliar é a economia gerada, segundo levantamentos do Ministério da Saúde, a poupança aos cofres públicos é na ordem de 30% por mês.
Triagem
Para o paciente poder receber a terapia em casa, é preciso que seja feita uma triagem com nefrologistas para análise de alguns critérios como: estágios e graus da doença; habilidade para utilizar os equipamentos; pessoa da família para auxiliar em casos necessários, entre outros requisitos.

Casos clínicos

Para o paciente Altamiro Barbosa, 62, com insuficiência renal crônica, faz o seus tratamento em casa e pode viver melhor. “Minha qualidade de vida aumentou muito, estou muito mais tranquilo, podendo fazer terapia em casa. E assim tenho mais tempo para outros afazeres”, ressalta.

A insuficiência renal é a presença de alterações da estrutura ou funções dos rins por um período maior que três meses e pode surgir devido a doenças como hipertensão, diabetes, tumores, doenças autoimunes, entre outros. Os casos mais graves podem gerar a insuficiência renal aguda, quando ocorre a perda rápida da função renal devido a danos nos rins como: inflamações graves, desidratação, cálculos renais, medicamentos, hemorragias, lesões, choque séptico, doença grave.

Prevenção de crises

Para pacientes que já sofrem com a insuficiência renal, é preciso sempre estar em dia com consultas e exames. Para pacientes que tem hipertensão é preciso manter a pressão arterial equilibrada. Pacientes com diabetes precisa controlada (em casos de pacientes com diabetes). Para pacientes que não sofrem da insuficiência, é preciso ter muito cuidado para evitar lesões nos rins, manter uma boa saúde e estar em dia com exames e check-up de sangue e diabetes.

Procedimento

Quando o rim por diversos fatores não consegue fazer a filtragem do sangue, a hemodiálise serve como um rim artificial que remove líquidos e substâncias tóxicas do sangue como uréia, ácido úrico, fósforo e hidrogênio e reabsorve albumina, sódio, potássio e cálcio.

Serviço

Consultas, exames e tratamentos podem ser marcados e agendados pelo sistema de regulação nas próprias regionais de saúde. O paciente pode receber encaminhamentos de Postos de Saúde e hospitais regionais. As consultas são feitas nos ambulatórios de Nefrologia do Hospitais de Taguatinga, Sobradinho, Santa Maria, Gama e Hospital de Base, de segundas às sextas-feiras, das 7h às 18h.

Por Alessandra Franco, da Agência Saúde DF
Atendimento à Imprensa
(61) 3348-2547/ 2539 e 9862-9226