Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
12/08/15 às 11h37 - Atualizado em 30/10/18 às 15h12

Parceria entre as secretarias de Saúde e Educação pretende melhorar alimentação de adolescentes

COMPARTILHAR

Curso de capacitação começou nesta terça-feira (11), dentro do projeto “Alimenta aí, Galera”

BRASÍLIA (12/8/15) – Profissionais das secretarias de Saúde e Educação participam do curso de formação para compreender o universo dos adolescentes das escolas públicas e colocar em prática o projeto “Alimenta aí, Galera”, lançado na segunda-feira (10). A expectativa é de que 50 servidores de ambas as pastas participem da capacitação, que tem duração de seis meses.

A ideia do projeto surgiu após um estudo coordenado pela Universidade de Brasília (UnB) apontar que 23,5% dos estudantes de escolas públicas e privadas do Distrito Federal apresentarem pelo menos um fator de risco cardiovascular.

“Com isso, viu-se a necessidade de corrigir a alimentação desses adolescentes. Assim, foi criado um grupo de trabalho e esse grupo viu que algo precisava ser feito nas escolas e assim surgiu essa parceria”, explica o chefe do Núcleo das Oficinas Pedagógicas da Escola de Aperfeiçoamento de Profissionais da Educação, Christofer Sabino.

O curso pretende que os servidores conheçam a realidade dos adolescentes, façam um diagnóstico da alimentação nas escolas, proponha um projeto de intervenção e depois avalie os planos de ação. “Participando das aulas, ficaremos mais bem capacitados para lidar com este público. Sabemos que o consumo alimentar na adolescência é pior entre todas as fases da vida”, ressalta a nutricionista do Centro de Saúde da Vila Planalto, Regina Márcia.

“Teremos, pelo menos, 14 planos de intervenção, pois cada regional trará o seu. Assim, faremos a análise do que precisa ser feito. E isso será proposto com a participação de coordenadores pedagógicos das escolas, além de nutricionistas das secretarias de Saúde e de Educação”, explica Helen Altoé, da coordenação do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional da Secretaria de Saúde.

Para a professora do Centro de Ensino Fundamental Santos Dumont, em Santa Maria, Helena Cristina Braga, o projeto em parceria com a Secretaria de Saúde é de extrema importância para a escola e para os alunos. “Nós até temos alguns projetos na escola, mas quando há um problema, fica difícil de agir. Com a ajuda da Saúde, será mais fácil”, diz, completando que mais importante do que proibir a venda de certos alimentos na cantina da escola, é educar para que os adolescentes não comam besteira onde quer que estejam.