Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
4/06/14 às 19h02 - Atualizado em 30/10/18 às 15h11

Planaltina adota cartilha e sistema de identificação na internação

COMPARTILHAR

Objetivo é orientar profissionais nos cuidados com o paciente

 

O hospital de Planaltina lança cartilha para instruir os pais que acompanham seus filhos na internação da Pediatria, com a finalidade de prestar informações importantes que visam identificar precocemente a ocorrência de eventos que afetam a segurança do paciente, e assim evitar riscos futuros.

A cartilha aborda temas para ajudar no dia a dia de uma internação, como cuidados com a bomba de infusão, o soro, higiene corporal e alimentação.

Segundo a coordenadora do Núcleo de Segurança do Paciente, Agostinha Maria de Queiroz, a cartilha traz regras que devem ser observadas e seguidas durante o período de internação da criança. Entre elas, segundo Agostinha, não deixar roupas ou toalhas penduradas no berço, manter a grade do berço ou da cama levantada para evitar quedas, não entrar com alimentos no hospital, o alimento que for recebido deve ser consumido imediatamente, lavar as mãos depois de ir ao banheiro, antes de comer e antes de pegar o filho.

A medida veio acompanhada com o uso da pulseira branca, que identifica os pacientes internados, além da placa de identificação junto ao leito, com nome, registro de identidade, data de nascimento e telefone para contato.

Essas ações fazem parte do Programa Nacional de Segurança do Paciente criado pelo Ministério da Saúde pela Portaria 529/2013, para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde.

O Programa se embasa em seis passos básicos que orientam os profissionais na ampliação da segurança do paciente nos serviços de saúde, são eles:

Identificação do Paciente – tem a finalidade de reduzir a ocorrência de incidentes. O processo de identificação deve assegurar que o cuidado seja prestado à pessoa para a qual se destina.

Prevenção de Úlcera por Pressão – visa a prevenir a ocorrência dessa e de outras lesões da pele, visto que é uma das consequências mais comuns da longa permanência em hospitais. Sua incidência aumenta proporcionalmente à combinação de fatores de riscos, entre eles, idade avançada e restrição ao leito.

Segurança na Prescrição, Uso, e Administração de Medicamentos – objetiva a promoção de práticas seguras no uso de medicamentos em estabelecimentos de saúde. Segundo o protocolo, estima-se que os erros de medicação em hospitais provoquem mais de sete mil mortes por ano nos Estados Unidos, acarretando custos tangíveis e intangíveis.

Cirurgia Segura – diz respeito ao estabelecimento de medidas a serem seguidas para reduzir a ocorrência de incidentes e eventos adversos e a mortalidade cirúrgica, possibilitando o aumento da segurança na realização de procedimentos cirúrgicos, no local correto e no paciente correto, por meio do uso da Lista de Verificação de Cirurgia Segura desenvolvida pela OMS.

Prática de Higiene das Mãos em Serviços de Saúde – aborda informações sobre a instituição e promoção da higiene das mãos nos serviços de saúde do País. Seu intuito é prevenir e controlar as infecções relacionadas à assistência à saúde (Iras), visando à segurança do paciente, dos profissionais de saúde e de todos aqueles envolvidos nos cuidados aos pacientes.

Prevenção de Quedas – tem como meta reduzir a ocorrência de queda de pacientes nos pontos de assistência e o dano dela decorrente, por meio da adoção de medidas que contemplem a avaliação de risco do paciente, garantam o cuidado multiprofissional em um ambiente seguro e promovam a educação do paciente, familiares e profissionais.

Segundo Agostinha, os servidores estão sendo informados sobre as novas mudanças e como devem proceder na identificação correta dos pacientes.

Caso tenha alguma dúvida sobre o programa desenvolvido em Planaltina envie seu texto para o e-mail – programanacionalsp@gmail.com

Tatiane Gomes, da Agência Saúde DF