Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
3/10/18 às 10h03 - Atualizado em 3/10/18 às 10h23

Recomendações para prevenir Síndrome Gripal em creches ou escolas

Em relação aos casos de gripe, esclarecemos que a enfermidade é uma infecção aguda do sistema respiratório, ocasionada por vários tipos de vírus, entre eles, o influenza. Um indivíduo pode contrair gripe várias vezes ao longo da vida.

 

Em casos de gripe em escolas, seguimos as recomendações do Protocolo de Influenza, do Ministério da Saúde, que orienta:

 

1 – Alunos, professores, monitores e demais trabalhadores que apresentem sintomas de gripe devem:

 

a) Permanecer em afastamento temporário na suspeita clínica de gripe (febre, tosse, coriza, mal-estar geral), podendo ser liberado o retorno à escola se estiver clinicamente estável, sem uso de antitérmico e sem febre por 24 horas;

 

b) Ao retornar à escola, manter cuidados de etiqueta respiratória (ao tossir ou espirrar, cobrir a boca preferencialmente com lenço descartável; lavar as mãos com frequência, especialmente após tossir ou espirrar; evitar tocar mucosas do nariz, olhos e boca) durante os sintomas respiratórios;

 

c) Não está indicada a suspensão de aulas e outras atividades para controle de casos de gripe como medida de prevenção e controle de infecção;

 

d) Não há indicação de quimioprofilaxia (medicação para prevenção) para a comunidade escolar, exceto em algumas indicações específicas, tais como: pessoas consideradas com condições e fator de risco para complicações por influenza, conforme protocolo de tratamento da influenza do Ministério da Saúde. Importante ressaltar que a quimioprofilaxia com antiviral não é recomendada se o período após a última exposição a uma pessoa com infecção pelo vírus for maior que 48 horas.

 

2 – A escola deve adotar as seguintes medidas preventivas:

 

a) Orientar etiqueta respiratória (cobrir o nariz e a boca com lenço, ao tossir ou espirrar, e descartar o lenço no lixo após o uso);

 

b) Estimular a frequente lavagem e higienização das mãos, principalmente antes de consumir alimentos;

 

c) Orientar a lavagem das mãos com água e sabão após tossir ou espirrar;

 

d) No caso de não haver disponibilidade de água e sabão, usar álcool gel;

 

e) Evitar tocar olhos, nariz e/ou boca;

 

f) Manter o ambiente bem ventilado e arejado;

 

g) Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;

 

h) Realizar higienização frequente, com uso de álcool a 70 ou álcool gel, de objetos compartilhados (brinquedos, livros e outros materiais de uso comum dos alunos).

 

Reforçamos que, além das recomendações citadas acima, a vacinação também é uma das medidas preventivas para influenza. Demais informações sobre influenza podem ser obtidas no portal do Ministério da Saúde.

 

Quando se observar um aglomerado de casos de gripe em uma determinada turma, a escola deverá procurar a Unidade Básica de Saúde da sua região e informar sobre a ocorrência dos casos, para eventual investigação, se necessário.

 

 

CONTATOS

 

Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs)

 

(61) 99221-9439/ 99146-0076/ 3901-7642/ 0800 645 7089