Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
20/01/21 às 16h17 - Atualizado em 21/01/21 às 16h40

Primeiros indígenas que residem no DF são vacinados contra a Covid-19

COMPARTILHAR

No total, foram imunizados 47 índios. O público-alvo total é de cerca de 300 indígenas

 

JURANA LOPES,

DA AGÊNCIA SAÚDE-DF

 

 

O Cacique Francisco foi o primeiro indígena vacinado no DF – Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde DF

Os primeiros indígenas residentes no Distrito Federal foram vacinados nesta quarta-feira (20). A aplicação das doses ocorreu na Aldeia Teko Haw, localizada no setor Noroeste. Foram imunizados 17 índios da etnia Guajajara. Também foram vacinados 30 índios na Casa de Saúde Indígena (Casai), local onde indígenas de outros estados hospedam-se enquanto fazem tratamento hospitalar no Distrito Federal. A responsabilidade sanitária de vacina desses índios abrigados é do DF.

 

O cacique da Aldeia Teko Haw, Francisco Guajajara, de 45 anos, informou que vivem no local 23 famílias, cerca de 250 pessoas. No entanto, a maioria dos indígenas trabalha fora e não estava na aldeia na hora da vacinação.

 

Francisco Guajajara foi o primeiro a receber a dose da vacina CoronaVac para dar o exemplo ao restante da tribo. “É bom vacinar porque todo mundo está sofrendo com essa doença pelo mundo. Ninguém aqui quer morrer e a doença não escolhe quem vai atingir, pode ser rico, pobre, índio, branco”, afirma.

 

Vacinação foi feita por profissionais da Secretaria de Saúde e da Cruz Vermelha – Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde DF

O cacique fez questão de chamar todo mundo que estava na aldeia para ir se vacinar, pois segundo ele, “a vacina é uma proteção a mais”, principalmente pelo fato de muitos saírem diariamente para trabalhar fora. Até hoje, não ocorreu nenhum caso de Covid-19 na aldeia.

 

Para Fetxawewe Tapuya, de 21 anos, estudante indígena da Universidade de Brasília, (UnB), a vacinação contra Covid-19 é extremamente necessária para a população indígena, pois a pandemia mostrou a fragilidade desses povos.

 

“Perdemos muitos anciões da nossa etnia que moravam em outras comunidades e outros estados. São perdas irreparáveis, pois eles repassam seus conhecimentos, costumes e valores para nós. Essa doença é muito grave e atingiu muitos índios. Por isso, estou feliz que a vacina protegerá nosso povo”, destaca.

 

O estudante indígena Fetxawewe Tapuya foi vacinado contra a Covid-19 – Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde DF

A indígena Marta Guajajara, de 44 anos, ficou satisfeita com a aplicação das doses nesta primeira fase da vacinação. “É algo muito importante para o meu povo. Mas apesar de ninguém ter adoecido aqui eu continuo tendo todos os cuidados, usando máscara e álcool em gel”, afirma.

 

De acordo com Tiago Neiva, gerente da UBS 2 da Asa Norte, a equipe retornará na Aldeia Teko Haw em outro dia, pois a estimativa de público-alvo desta aldeia é vacinar 250 pessoas e o objetivo é alcançar 100% da população indígena. Além da equipe da UBS 2 da Asa Norte, a ação contou com a participação da Vigilância Epidemiológica da Região Central e a colaboração de voluntários da Cruz Vermelha.

 

Veja mais fotos do primeiro dia de vacinação na Aldeia Teko Haw:

 

Vacinação dos indígenas da Aldeia Teko' Haw