Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
13/11/14 às 17h37 - Atualizado em 30/10/18 às 15h11

Projeto sensibiliza profissionais para a questão do suicídio

COMPARTILHAR

Encontros ocorrem na Regional Núcleo Bandeirante

 

 

BRASÍLIA (13/11/2014) – A Coordenação Geral de Saúde da Candangolândia, Núcleo Bandeirante, Riacho Fundo e Park Way promove, em parceria com o Programa de Valorização da Vida (CVV),  um projeto de prevenção ao suicídio. O objetivo é sensibilizar os profissionais de saúde para a necessidade de saber ouvir e ajudar as pessoas em risco.

“Falando abertamente sobre o suicídio” foi um dos tópicos da programação que envolveu abordagens sobre o tema, apresentação de filmes e discussão sobre o que foi assistido, nessa terça-feira (11) no Centro de Saúde Nº 3 do Riacho Fundo I.

De acordo com a enfermeira Simone Lacerda , chefe do Núcleo de Educação Permanente em Saúde da regional (NEPS), um novo encontro está previsto para tratar do tema no dia 3 de dezembro, dessa vez, no auditório do Centro de Saúde Nº 2 do Núcleo Bandeirante, de 14h às 18h.

Segundo os técnicos do CVV, ocorrem 25 suicídios por dia no Brasil, sendo que 90% dos casos podem ser prevenidos desde que existam condições mínimas para oferta de ajuda voluntária ou profissional.

Ainda segundo o CVV, existem sinais indicativos de que a pessoa poderá cometer suicídio como, por exemplo, o abandono dos amigos e das atividades sociais, incapacidade de assumir as responsabilidades diárias, estado emocional alterado com agitação, irritabilidade, descontrole ou agressividade, mudança significativa no comportamento, na  atitude ou aparência entre outros.

Em qualquer dessas situações, amigos, parentes, profissionais de saúde e outras pessoas do circulo de convivência podem e devem se oferecer para ajudar perguntando: “Tem algo que eu possa fazer para te ajudar?”.

De acordo com o voluntário Gilson, do CVV, nessa hora o importante é saber ouvir, sem fazer críticas, dar conselhos ou impor uma crença religiosa. “Muitas vezes a pessoa quer apenas desabafar e ouvir sem dizer nada é uma ajuda preciosa”.

 Além do NEPS, estão envolvidos no projeto a Medicina do Trabalho e o serviço de psicologia da regional, sob coordenação da Diretoria de Atenção à Saúde (DAS).