Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
23/08/13 às 16h07 - Atualizado em 30/10/18 às 15h06

Regional de Ceilândia visita Sobradinho para importar sistema inovador de marcação de consultas

COMPARTILHAR

Modelo criado em outubro de 2012 e, rapidamente estendido a Planaltina, reduziu o tempo médio de espera por uma consulta de quatro para dois meses, chegará a Região Oeste em breve

A Diretoria Regional de Atenção Primária de Ceilândia visitou o Hospital Regional de Sobradinho para conhecer e adotar o processo de marcação de consultas não reguladas da Região Norte (Sobradinho e Planaltina), implantado em 2012. A novidade diminuiu o tempo médio de espera para agendar consultas de 210 para 60 dias. Agora, Ceilândia vai discutir em sua própria regional como essa metodologia pode ser aplicada na Região Oeste, compreendida também por Brazlândia.

O diretor de Atenção Primária de Ceilândia, Luiz Henrique Orives, enfatizou que o sistema atraiu a equipe técnica da regional, pela capacidade de acelerar o tempo de espera de cada paciente. “Nos chamou atenção porque eles têm o mesmo número de profissionais que nós, mas o atendimento flui de uma maneira muito mais rápida. Queremos implantar essa ideia aqui, mas precisamos que todos estejam envolvidos. Por isso, ainda nessa semana teremos uma reunião com a equipe para discutir os próximos passos”, disse.

O responsável pelo mesmo setor em Sobradinho e coordenador do projeto, Gleiton Lima, citou a quantidade de informações que podem ser obtidas com o sistema, agendado pelo público por meio do telefone. “Com esse trabalho, conseguimos diminuir o tempo médio de espera para agendar consultas em dois meses. Especialidades como Otorrinolaringologia e Endocrinologia são marcadas, por exemplo, no máximo em 10 dias”.

Como resultados nos primeiros 10 meses com a nova central de marcação, a Região Norte alcançou o fim imediato de filas para agendamento de consultas de especialidades nos postos de saúde; o agendamento de acordo com o grau de vulnerabilidade; e o conhecimento online da demanda reprimida por centro de saúde e Equipes de Saúde da Família. A central foi implantada primeiramente em Sobradinho, e logo estendida à Planaltina. Atualmente, as regionais trabalham em conjunto com oito centros de saúde conectados online e mais de seis mil marcações já foram realizadas.

Além disso, a ação também favoreceu o conhecimento das necessidades dos pacientes. “Isso permitiu não só a marcação de consultas por grau de necessidade, mas o desenvolvimento de estratégias para mutirões beneficiando os pacientes e suas necessidades. Nossa meta agora é alcançar um tempo médio de espera de 45 dias. Essa troca de informações é conhecida no mundo da gestão como Benchmarking e funciona a partir de um método sistemático de procurar os melhores processos, as ideias inovadoras e os procedimentos de operação mais eficazes e um desempenho superior”, destacou Lima. 

 

Amandda Souza