Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
14/10/20 às 10h46 - Atualizado em 14/10/20 às 17h46

Saúde vacina 7,3 mil crianças contra a poliomielite em uma semana

COMPARTILHAR

Procura pela vacina tem sido baixa; Secretaria de Saúde reforça a necessidade de se manter a população imunizada

 

JOHNNY BRAGA

 

Em uma semana, a Secretaria de Saúde vacinou 7.314 crianças menores de cinco anos contra a poliomielite, o que representa 4,5% do público-alvo a ser vacinado. A procura por vacina, de acordo com a área técnica de imunização da pasta, tem sido baixa nos últimos dias. A meta da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite é vacinar 95% da população dessa faixa etária. No DF, estima-se que haja cerca de 160 mil crianças com menos de cinco anos.

 

Salas de vacina estão preparadas para receber os pacientes com toda segurança que o momento exige – Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde DF

 

O secretário de Saúde, Osnei Okumoto, tranquiliza a população quanto às medidas adotadas para prevenir o contágio pelo novo coronavírus nas salas de vacina. Segundo o gestor, é muito importante que a população compareça às unidades para receber vacina ou atualizar a situação vacinal.

 

“As salas de vacina estão preparadas para receber as crianças com toda segurança que o momento de pandemia exige”, assegura o secretário. Ele reforça que “é importante os pais levarem seus filhos para protegê-los contra a poliomielite e, aproveitando a oportunidade, a equipe da área de imunização irá verificar se há alguma pendência na caderneta de vacinação e completar as doses”.

 

De acordo com os dados obtidos juntamente com as Regiões de Saúde, até o momento, a menor cobertura está entre as crianças com idade de 3 anos a quatro anos incompletos (3 anos, 11 meses e 29 dias). Nessa faixa etária, foram vacinadas 1.783 crianças o que representa 4,5% de cobertura. A procura foi maior entre aquelas com um ano de idade até dois incompletos, com 2.033 vacinados e cobertura de 4,6%.

 

Campanha de Multivacinação

 

O mês de outubro também alerta sobre a importância da atualização do cartão de vacina. A Campanha Nacional de Multivacinação é a oportunidade de as crianças e adolescentes menores de 15 anos receberem eventuais vacinas que estejam faltando em seus cartões.

 

“A dose da poliomielite é extra para crianças de um a menores de cinco anos de idade. Tivemos baixa adesão e baixa procura. Das pessoas que procuraram as salas de vacina, 59% precisaram fazer a atualização da situação vacinal. Mesmo que não tenha o cartão de vacina, orientamos que procurem as unidades para que a equipe possa fazer a verificação da situação vacinal”, explica a enfermeira da área técnica de imunização Fernanda Ledes.

 

Menores de 15 anos devem atualizar a caderneta de vacinação – Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde DF

 

No período de janeiro a abril de 2020, nenhuma das vacinas do calendário infantil atingiu as metas preconizadas pelo Ministério da Saúde.

 

Os dados parciais da campanha de 2020 mostram que 12.546 pessoas, entre zero e 15 anos, compareceram às salas de vacina entre os dias 5 e 9 de outubro. Após análise da caderneta de vacinação feita pelas equipes das salas de vacina, receberam alguma dose de vacina 7.399 pessoas.

 

As duas campanhas continuam até o dia 30 de outubro, em todas as salas de vacina do DF.

 

Poliomielite no Brasil

 

O Brasil não detecta casos de poliomielite desde 1989. No DF, desde 1987 a doença não é registrada. O país recebeu, em 1994, da Organização Pan-americana da Saúde (Opas), a Certificação de área livre de circulação do poliovírus selvagem do seu território, juntamente com os demais países das Américas. Desde então, vários esforços vêm sendo realizados a fim de atingir a meta dos indicadores preconizados pelo Ministério da Saúde para manutenção do país livre da doença.

 

No Distrito Federal, a série histórica dos últimos 20 anos da cobertura vacinal contra a poliomielite em menores de 1 ano mostra uma tendência de queda das coberturas, sendo que em 2015 e de 2017 a 2019 a meta de cobertura não foi atingida (95%). De janeiro a abril de 2020, a cobertura vacinal foi de apenas 67,3%. No mesmo período de 2019, era de 89,2%.