Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
23/03/20 às 20h37 - Atualizado em 24/03/20 às 14h17

Secretaria de Saúde muda forma de distribuição de EPIs e insumos para as unidades

COMPARTILHAR

Medida visa garantir o abastecimento a longo prazo

 

A distribuição dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) na rede pública de saúde do Distrito Federal, bem como insumos de um modo geral, passará a ser semanal e realizada pela Central de Distribuição.

 

A medida foi tomada diante da epidemia do coronavírus e da expectativa do alto consumo aqui no Brasil e no mundo, que tem provocado grandes dificuldades para a produção industrial.

Essa é uma medida preventiva adotada pela Secretaria de Saúde (SES) e está embasada em estudo de consumo das unidades.

 

A subsecretária de Logística da Secretaria de Saúde, Mariana Rodrigues, explica que no final da última semana foi realizado um levantamento da quantidade de EPIs nas unidades da rede e constatadas algumas anormalidades com relação ao consumo.

 

“Fizemos um estudo de consumo de cada unidade e classificamos por porte. Fizemos uma projeção de consumo mais uma margem de segurança para que não haja desabastecimento. Essa projeção agora é para sete dias e não mais para 30 como era feito antes”, explica a gestora.

 

O levantamento mostrou que alguns hospitais estavam com estoque acima do necessário para o novo período estipulado, dificultando o controle. Nesses casos foram recolhidos os excessos e enviados para a Central de Distribuição da pasta.

 

Outro motivo que levou a pasta a mudar o período de abastecimento dos EPIs diz respeito ao cenário mundial de produção destes materiais. “Nossa ação é preventiva”, assegura Mariana.

 

“O fornecedor de máscaras, por exemplo, é daqui do DF, só que ele não está conseguindo produzir para atender os nossos pedidos. Neste momento temos dois pedidos em atraso com ele e não podemos negligenciar no abastecimento à rede. Nós combinamos que a medida que ele for produzindo ele vai entregando, por exemplo, de três em três mil ou de 10 em 10 mil, de acordo com a sua capacidade de produção “, exemplificou Mariana.

 

A estratégia visa garantir material para todas as unidades da rede de maneira equânime, conforme a necessidade de cada uma.

 

Josiane Canterle, da Agência Saúde

Foto: Breno Esaki/Agência Saúde