Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
20/12/13 às 19h10 - Atualizado em 30/10/18 às 15h10

Seminário discute projeções demográficas no DF e região metropolitana para 2030

COMPARTILHAR

Impactos do crescimento na área de saúde

Gestores da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES/DF) participaram nessa quinta-feira (19) do seminário sobre as projeções demográficas no DF e na Área Metropolitana de Brasília para o ano de 2030, e o impacto desse crescimento nas demandas nas áreas de emprego, educação, saúde, transporte e habitação. O evento foi promovido pela Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), no auditório do UniCEUB.

Um estudo da Codeplan demonstra que para atender uma população estimada em 3.773 milhões de pessoas em 2030 será necessário um acréscimo na Rede Pública de cinco mil leitos e mais 708 médicos.

O cenário projetado pela Codeplan para o ano de 2030 foi elaborado nos parâmetros da Organização Mundial de Saúde (OMS), do Ministério da Saúde e da SES/DF para atender as demandas da sociedade do DF. “Em média há um médico para cada grupo de 184 habitantes. Seria confortável se atendêssemos somente o DF, mas sofremos uma forte pressão do Entorno e de outros estados”, revelou Jusçânio Humbelino, gerente de Base de Dados da Codeplan.

A afirmação de Humbelino é baseada em dados atuais, já que o DF conta com 15.174 médicos para atender 2,789 milhões de pessoas. É um número de médicos muito superior ao recomendado pela OMS: um para cada mil habitantes. Portanto, em 2030, a projeção seria um decréscimo de 7.718 médicos para atender a demanda de cada grupo de 500 pessoas, o que ainda seria um dado superior.

A Rede Pública dispõe de 6.748 médicos, ou seja, um para cada grupo de 413 pessoas. De acordo com os parâmetros adotados significa que, em 2030, haja um acréscimo de 708 médicos na Rede Pública, um total de 7.456, um para cada grupo de 500 pessoas. “A quantidade de médicos acima dos parâmetros traz reflexões para a logística, já que chegamos a conclusão que boa parte da demanda é de fora”, disse Humbelino.

O subsecretário de Planejamento, Rodrigo Miranda, revelou que a SES/DF trabalha basicamente em três eixos: assistência à Saúde, gestão e infraestrutura. “Quando a gente fala de atenção à saúde, estamos alinhados com as políticas públicas”, disse Miranda. O subsecretário falou sobre o diferencial da rede Urgência e Emergência com a classificação de risco, a implantação da Rede Cegonha e a rede Psicossocial.

Outros números também foram revelados para o ano de 2030. Hoje são 4.433 leitos hospitalares no DF – 629 pessoas por leito. A projeção é de 9.433 leitos em 2030, um para cada grupo de 400 pessoas. Sobre a cobertura vacinal, a pesquisa demonstra que para ter uma cobertura de 100%, será necessário uma amplitude de 460.342 novas vacinas.

Para finalizar o painel Saúde, Rodrigo Miranda trouxe para o contexto as outras áreas que também compunham o seminário. “O conceito de Saúde é amplo. Saúde é educação, transporte, trabalho e habitação. Tudo faz parte da qualidade de vida da pessoa e isso reflete no seu bem estar e saúde”, finalizou referindo-se aos painéis em questão, que também foram projetados para daqui 17 anos.

Por Luana Lemas, da Agência Saúde DF
Atendimento à imprensa:
(61)3348-2547/2539 e 9862-9226