Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/09/13 às 16h15 - Atualizado em 30/10/18 às 15h06

Simpósio Internacional sobre Drogas é realizado em Brasília

COMPARTILHAR

Entidades debatem políticas públicas e propõem mudança na abordagem ao dependente químico 

Quatro integrantes da Diretoria de Saúde Mental da Secretaria de Saúde participam do Simpósio Internacional sobre Drogas: da Coerção à Coesão, que acontece entre os dias 9 e 11 de setembro, no Museu da República, em Brasília. O encontro reúne representantes de diferentes países que compartilham experiências em busca de alternativas para a ampliação do acesso à saúde e outras políticas sociais para os usuários de crack, álcool e outras drogas.

“O tema do simpósio vem ao encontro da política que está sendo desenvolvida pelo Governo do Distrito Federal, por meio do Plano de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas, pautada nos direitos humanos dos dependentes químicos”, enfatiza o diretor de Saúde Mental da SES, Augusto Cesar de Faria.

Durante o encontro, diversos setores da sociedade – gestores, representantes de movimentos sociais, parlamentares, profissionais de – debatem as políticas públicas voltadas para a questão das drogas e a difusão de informações tendo como foco uma abordagem centrada na coesão social e não mais na coerção.

Essa nova abordagem busca atender as necessidades concretas das comunidades, com base no equilíbrio das ações de prevenção, proteção social, atenção à saúde e segurança pública.

O evento é organizado pelo Ministério da Justiça, por meio da Secretaria de Políticas sobre Drogas (Senad); com o apoio do Ministério da Saúde, por meio da Área Técnica de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas e o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), em parceria com a Internacional Drug Policy Consortium (IDPC) e o Instituto Igarapé.

O UNODC lançou em 2010 o documento “Da Coerção à Coesão”, que orientou a discussão sobre a organização do simpósio. O escritório defende a mudança de uma abordagem coercitiva para uma abordagem que valorize a construção de espaços de coesão social, que requer o enfrentamento de uma série de problemas sociais, como violência, corrupção, desemprego, cobertura dos sistemas de saúde, educação incipiente, encarceramento crescente, dentre outros.

No simpósio estão sendo apresentadas diversas experiências de políticas públicas que foram efetivadas em países como Argentina, Holanda, Portugal, República Tcheca, Canadá e Uruguai.