Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/08/20 às 14h59 - Atualizado em 4/09/20 às 19h03

Tétano: uma infecção que pode ser prevenida com vacina

COMPARTILHAR

Bactéria da doença pode ser encontrada nos mais diversos ambientes

 

ÉRIKA BRAGANÇA, DA AGÊNCIA SAÚDE

 

Apesar da crença popular, não são apenas pregos e cercas enferrujadas que podem provocar o tétano. A bactéria Clostridium Tetani, causadora do tétano, pode ser encontrada normalmente na natureza, cuja identificação pode ocorrer na pele, terra, galhos, plantas baixas, água suja, poeira e trato intestinal de animais e fezes. Assim, pode contaminar as pessoas que tenham lesões na pele – feridas, arranhaduras, cortes etc. A toxina produzida pela bactéria ataca, principalmente, o sistema nervoso central. Se o tétano não for tratado corretamente, pode matar.

 

Arte: Rafael Ottoni

A imunidade é adquirida pela vacinação, o Ministério da Saúde recomenda para o calendário básico: três doses da vacina pentavalente (2, 4 e 6 meses de idade) e dois reforços com a vacina DTP (aos 15 meses e outra aos 4 anos de idade). É necessário a cada 10 anos um reforço com a vacina dupla adulto (dT). Já para as gestantes é necessário aplicar uma dose dT para cada gestação. A doença não confere imunidade, portanto, é muito importante manter o cartão vacinal em dia.

 

No Distrito Federal, a série histórica mostra poucos casos de 1990 a 2019, foram 44 eventos e três óbitos. No entanto, a letalidade da doença ainda é alta no Brasil, nos últimos três anos, ficou entre 30% a 40%. Em países desenvolvidos, esse percentual apresenta-se entre 10% a 17%. Entre os anos de 2013 a 2014, 70% dos casos concentraram-se no grupo com faixa etária de 30 a 69 anos de idade. A maioria ocorreu nas categorias de aposentado-pensionistas, trabalhador agropecuário, seguidos pelos grupos de trabalhador da construção civil (pedreiro), estudantes e donas de casa.

 

Bruna Granato, da área técnica da vigilância epidemiológica da Secretaria de Saúde, afirma que a melhor maneira de prevenir a doença é manter o cartão vacinal em dia. “Temos hoje no DF cerca de 120 salas de vacinação, todas com vacinas disponíveis. É preciso uma maior conscientização da população sobre a importância da vacina, já que é o único meio de prevenção da doença e está disponível a todos”, afirma.

 

Arte: Rafael Ottoni

Prevenção

 

A vacina é principal forma de evitar a doença. Nos primeiros anos de vida, é a pentavalente seguida dos reforços com a DTP. Se houver necessidade, a cada 10 anos um reforço com a vacina dupla adulto (dT). Já para as gestantes, é necessário aplicar uma dose dTpa a cada gestação.

 

Transmissão

 

O tétano não é uma doença transmitida de pessoa a pessoa. A transmissão ocorre, geralmente, pela contaminação de um ferimento da pele ou mucosa. O período de incubação (tempo que os sintomas levam para aparecer desde a infecção) é curto: em média de 5 a 15 dias, mas pode variar de 3 a 21 dias.

 

Situação Vacinal

 

Caso você tenha dúvidas sobre suas vacinas ou não se lembre de ter sido vacinado, procure um serviço ou a equipe de saúde mais próxima, levando seu cartão de vacinação para a verificação. Se não possuir esse cartão, informe ao profissional de saúde para que receba a orientação adequada.

 

Tétano Neonatal

 

Também é uma doença infecciosa aguda, grave, não-contagiosa, que acomete o recém-nascido (RN) nos primeiros 28 dias de vida, tendo como manifestação clínica inicial a dificuldade de sucção, irritabilidade, choro constante. É conhecida como “Tétano umbilical” e “Mal de sete dias”.

 

A imunidade do recém-nascido é conferida pela vacinação adequada da mãe, que recebe uma dose da dTpa a partir da 20° semana de gestação ou até 45 dias após o parto.

 

EDIÇÃO: JOHNNY BRAGA

]REVISÃO: JULIANA SAMPAIO