Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
5/10/17 às 17h33 - Atualizado em 20/04/18 às 12h33

Transplante

COMPARTILHAR

Transplante – Doação de Órgão

Atualizado em 12/01/2017

 

Doar órgãos é um ato de amor e solidariedade. O nosso país tem o maior programa público de transplantes de órgãos, tecidos e células do mundo, graças ao investimento constante de recursos por parte do Ministério da Saúde. Mesmo assim, ainda é alto o índice de não autorização por parte das famílias. Para se ter uma ideia, seria possível zerar a fila das pessoas que esperam um órgão compatível se as famílias de todos os possíveis doadores autorizassem a doação. Hoje, cerca de 43% dessas famílias ainda se nega a doar.

 

O Distrito Federal tem um dos melhores índices de doação de órgãos e tecidos do Brasil. Enquanto a média nacional é de 16 pessoas a cada milhão de habitantes, na capital federal, a taxa é de 28,8 doadores por milhão. Os dados, da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), ainda apontam um aumento no número de doações, no DF, de 2015 para 2016. No DF, dois hospitais particulares e três da rede pública realizam transplantes. No Base e no Hospital Universitário de Brasília são feitos os procedimentos de rim e córnea. Conveniado à Secretaria de Saúde, o Instituto de Cardiologia do DF (ICDF) faz mais procedimentos, incluindo coração, rim, fígado, córnea e medula óssea.

 

Subsecretaria de Atenção Integral à Saúde – SAIS

Coordenação de Atenção Especializada à Saúde

Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos

Central Estadual de Transplantes – CET

Contato: 99109-3699

Endereço: SMH Área Especial A – IHBDF mezanino, salas 102 e 103, CEP 70.335-900

E-mail: cet.crdf@saude.df.gov.br

 

Banco de Órgãos e Tecidos – BOT

Contato: 99556-9117

Núcleo de Organização de Procura de Órgãos – NOPO

Contato: 99175-2718

Núcleo de Relacionamento Inter-Hospitalar – NRIH

Contato: 99175-2718


Centros de Transplantes

Dados do DF

Doação de Órgão

Profissional de Saúde

Resolução CFM n° 2.173/2017
Formulário Morte Encefálica

 

Cadastro de profissionais médicos visando programação de capacitação para diagnóstico de morte encefálica baseado na nova resolução do CFM nº 2.173/2017

 

Motivo da necessidade do cadastro para profissional médico: 

Esta nova resolução traz inovações para realização dos exames clínicos no diagnóstico de morte encefálica. A saber:
1. define a capacitação necessária para que o médico possa realizar o diagnóstico de ME (mínimo de 8 horas de curso formal);
2. exclui a obrigatoriedade de neurologista;
3. permite abertura de protocolo com hipernatremia;
4. reduz o intervalo entre os exames clínicos;
5. informa sobre tempo necessário de observação do paciente antes de iniciar o protocolo de ME;
6. teste de apnéia passa a ser único.
Estas e várias outras informações serão repassadas durante o curso de formação que se torna obrigatório para todos os médicos que assistem pacientes críticos.

 

 

Associação Brasileira de Transplante de Órgãos – ABTO

Sistema Nacional de Transplantes – SNT – Para consultar as listas de espera para transplantes, basta clicar diretamente na “lista do órgão que aguarda para transplante”.

Ministério da Saúde

Campanha Nacional de Doação de órgãos e Tecidos – 2017 – folder

Cartaz Semana da Doacao de Orgãos e Tecidos do Distrito Federal

Cartaz da Caminhada

Banner


 

Coordenação Nacional

 

A coordenação nacional do Sistema Nacional de Transplantes (SNT) é exercida pelo Ministério da Saúde, por intermédio da Coordenação Geral do Sistema Nacional de Transplante (CGSNT). Em Brasília, esse trabalho é realizado pela Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos do Distrito Federal. Um dos principais fatores que limita a doação de órgãos é a baixa taxa de autorização da família do doador. Atualmente, aproximadamente metade das famílias entrevistadas não concorda que sejam retirados os órgãos e tecidos do ente falecido para doação.

 

A doação pode ser de órgãos (rim, fígado, coração, pâncreas e pulmão) ou de tecidos (córnea, pele, ossos, válvulas cardíacas, cartilagem, medula óssea e sangue de cordão umbilical). A doação de órgãos como o rim, parte do fígado e da medula óssea pode ser feita em vida.

 

A doação de órgãos de pessoas falecidas somente acontecerá com a autorização da família, após a confirmação do diagnóstico de morte encefálica. Geralmente, são pessoas que sofreram um acidente que provocou traumatismo craniano (acidente com carro, moto, quedas etc.) ou sofreram acidente vascular cerebral (derrame) e evoluíram para morte encefálica.

 

Associação Brasileira de Transplante de Órgãos – ABTO

Sistema Nacional de Transplantes – SNT – Para consultar as listas de espera para transplantes, basta clicar diretamente na “lista do órgão que aguarda para transplante”.

Ministério da Saúde

 

Doar órgãos é um ato de amor e solidariedade. O nosso país tem o maior programa público de transplantes de órgãos, tecidos e células do mundo, graças ao investimento constante de recursos por parte do Ministério da Saúde. Mesmo assim, ainda é alto o índice de não autorização por parte das famílias. Para se ter uma ideia, seria possível zerar a fila das pessoas que esperam um órgão compatível se as famílias de todos os possíveis doadores autorizassem a doação. Hoje, cerca de 43% dessas famílias ainda se nega a doar.

 

 

Por isso, contamos com a sua participação e a de todos os seus amigos para mobilizar a sociedade para a importância de lembrar às famílias o desejo de cada um de ser doador de órgãos. Lembrar de quem se ama pode salvar vidas. Para ser doador, avise a sua família.

 

 

Campanha do Ministério da Saúde 2017

 

Dados do DF

 

A estrutura do Sistema Nacional de Transplante está presente em todo o Brasil
27 Centrais de notificação, captação e distribuição de órgãos
14 câmaras técnicas nacionais
506 Centros de Transplantes
825 serviços habilitados
1.265 equipes de transplantes
574 Comissões Intra-hospitalares de Doações e Transplantes
72 Organizações de Procura por Órgãos (OPOs)

 

Transporte de Órgãos

Com decreto presidencial nº 8.783 de junho de 2016 a aeronave da FAB deve permanecer em solo para
transporte de órgãos. Desde então, a FAB aumentou 6.740% o tráfego desse material, transportou entre junho de 2016 até setembro deste ano 342 órgãos sólidos (coração, fígado, pâncreas, rim e pulmão).

O SUS possui acordo de cooperação voluntária/solidária com as empresas brasileiras para transporte de órgãos,
tecidos e/ou equipes de retirada ou transplante. Nesses casos, as aeronaves recebem prioridade para pouso e
decolagem