Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/08/20 às 17h47 - Atualizado em 19/08/20 às 12h35

Vacina BCG será disponibilizada nas maternidades públicas e Casa de Parto

COMPARTILHAR

Ação ajudará a ampliar a cobertura vacinal no DF

 

ÉRIKA BRAGANÇA, DA AGÊNCIA SAÚDE DF

 

A Secretaria de Saúde implantará a vacina BCG nas maternidades dos hospitais regionais e na Casa de Parto para ampliar a cobertura vacinal e prevenir as formas graves de tuberculose (miliar e meníngea). A ação segue recomendação do Ministério da Saúde, que orienta que a administração da vacina BCG seja dose única, o mais precocemente possível, de preferência na maternidade, logo após o nascimento.

 

Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde DF

Nesse sentido, a Gerência de Vigilância das Doenças Imunopreveníveis e de Transmissão Hídrica e Alimentar da Secretaria de Saúde elaborou o Plano Integrado de Melhoria dos Indicadores de Imunização para o DF. O documento foi publicado em 2019 e, desde a sua publicação no Diário Oficial do DF, a área técnica vem desenvolvendo estratégias para melhorar os níveis da cobertura vacinal.

 

A vacina

 

A BCG é uma vacina que protege contra as formas graves de tuberculose e faz parte do primeiro pilar da Estratégia pelo Fim da Tuberculose, aprovada em 2015 pela Organização Mundial de Saúde (OMS). No DF, no primeiro quadrimestre deste ano, a adesão à BCG estava abaixo da expectativa se comparada ao mesmo período do ano passado. Apenas 72% do público está com a cobertura da vacina em dia. As demais vacinas do calendário infantil também apresentam coberturas abaixo da meta no primeiro quadrimestre de 2020.

 

Renata Brandão, gerente de Imunização da Secretaria, afirma que as vacinas são uma estratégia de bloqueio de doenças e a maneira mais eficaz de evitar as formas graves de algumas delas, como é o caso da tuberculose. “O objetivo é facilitar o acesso e melhorar as coberturas vacinais no DF. Atualmente, para otimização do imunobiológico, a vacina da BCG é realizada nas UBSs em dias específicos e com a realização nas maternidades, as puérperas não precisarão se deslocar com o recém nascido logo após a alta”, destacou Renata.

 

No momento da vacina, cabe ao profissional de saúde o fornecimento de orientações aos responsáveis pelo recém-nascido sobre a evolução da cicatriz vacinal e os cuidados necessários, bem como sobre as demais vacinas do Calendário Nacional de Vacinação. Renata ressalta que “a vacina sendo realizada nas maternidades, os pais receberão informação sobre a BCG e as demais vacinas do calendário, o que pode melhorar a adesão à vacinação”.

 

O SUS oferece vacinas para a população que são iniciadas na infância até a fase adulta. Saiba mais sobre o calendário vacinal do DF para todas as idades no site da Secretaria de Saúde.

 

EDIÇÃO: JOHNNY BRAGA

REVISÃO: JULIANA SAMPAIO