Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
3/06/15 às 13h44 - Atualizado em 30/10/18 às 15h12

Vigilância à Saúde divulga boletim epidemiológico de doenças imunopreveníveis

COMPARTILHAR

Doenças podem ser prevenidas através da vacinação

BRASÍLIA (3/6/15) – A Gerência de Vigilância Epidemiológica e Imunização (GVEI) da Subsecretaria de Vigilância à Saúde (SVS) produziu um boletim com informações sobre doenças imunopreveníveis, que são aquelas que podem ser prevenidas com a vacinação.

Os dados apresentam informações sobre Tétano Acidental e Neonatal, Poliomielite/Paralisia Flácida Aguda (PFA), Coqueluche, Influenza, Raiva Humana, Varicela, Sarampo, Rubéola, Meningite, Diarreia Agudas, Febre Tifóide, Hepatite A, Leptospirose e HPV.

São apresentados ainda dados sobre a cobertura vacinal das doenças imunopreveníveis e informações sobre a Rede de Frio do Distrito Federal, área que compreende todo o processo de armazenamento, conservação, distribuição, transporte e manipulação dos imunobiológicos, para manutenção da qualidade da vacina.

As informações referenteS aos agravos e doenças apresentadas utilizam como base o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), dados dos núcleos de vigilância epidemiológica e imunização regionais, do Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal (Lacen-DF) e da rede privada de saúde do Distrito Federal.

“O boletim apresenta, de uma forma sucinta, as principais ações desenvolvidas em 2014 e a tendência dos agravos de interesse à saúde pública dentro da Gerência de Vigilância Epidemiológica e Imunização no DF. É baseado na principal característica da vigilância epidemiológica, que é a observação contínua e a coleta sistemática de dados sobre doenças ou agravos. É importante ressaltar que a vacinação exerce um papel fundamental, pois a imunização tem como finalidade reduzir a morbimortalidade causada pelas doenças”, disse a chefe do Núcleo de Controle de Doenças Imunopreveníveis e Agudas, Ana Luiza Sturion Grisoto.

A chefe do núcleo destacou ainda que o boletim foi uma produção em conjunto dos profissionais da rede pública e privada. “A divulgação do boletim epidemiológico só foi possível devido à ação de todos os profissionais de saúde das unidades públicas e privadas, demonstrando o empenho e o compromisso dos mesmos. Dessa forma foi possível realizar as análises, acompanhar e desenvolver ações de prevenção e controle evitando a disseminação das doenças na população”.

Veja aqui o boletim completo