Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
14/04/20 às 19h07 - Atualizado em 14/04/20 às 21h32

Vigilância Sanitária orienta sobre manejo do lixo para prevenir a Covid-19

COMPARTILHAR

Residências e condomínios com casos suspeitos e confirmados precisam tratar os resíduos como infectantes

 

A Vigilância Sanitária fez, nesta terça-feira (14), uma ação em Águas Claras, para orientar a população sobre os cuidados que se deve ter com o lixo residencial em locais onde há moradores suspeitos ou positivos para a Covid-19. As orientações fazem parte da um protocolo feito pela Secretaria de Saúde em parceria com a Anvisa e tem o objetivo de evitar a disseminação do vírus.

 

“Quando se tem pessoas com suspeita ou confirmação do coronavírus na residência ou no condomínio, o lixo residencial passa a ser classificado como infectante. Por isso, o gerenciamento dele precisa ser diferente do lixo comum”, explica a gerente de Fiscalização da Vigilância Sanitária, Márcia Olivé.

 

Entre as orientações estão separar os resíduos gerados pela pessoa em quarentena dos demais lixo da casa. “Ele deve ser colocado em saco de lixo resistente à ruptura e à vazamento, ser impermeável, não encher até a capacidade máxima, colocando até 2/3 da capacidade. É preciso amarrar bem o saco e colocá-lo dentro de outro saco, feito de material onde seja possível escrever, de forma legível e visível, a seguinte dizer: resíduo infectante Covid-19”, explica Márcia Olivé.

Ela acrescenta que caso o morador seja de condomínio, o síndico deverá ser informado sobre a situação, e ele deverá informar e orientar os funcionários quanto ao que fazer para não serem contaminados pelo lixo.

 

A gerente também alerta para a questão dos lixos recicláveis. “Eles não deverão ser entregues aos catadores, nem separados para entrega de coleta seletiva, pois pode oferecer risco aos catadores”, explica.

 

A intenção da Gerência de Fiscalização da Vigilância Sanitária é fazer esta mesma orientação a outros condomínios do Distrito Federal. “O protocolo também ficará disponível no site da Secretaria de Saúde e pedimos que as pessoas leiam para compreender a maneira correta de manejo do lixo residencial”, orienta Márcia.

 

Texto: Alline Martins, da Agência Saúde

Fotos: Breno Esaki/Agência Saúde