Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
2/04/15 às 13h18 - Atualizado em 30/10/18 às 15h12

Vírus que provoca doenças respiratórias pode ser combatido

COMPARTILHAR

Previna-se da contaminação pelo vírus sincicial

BRASÍLIA (2/4/15) – Nos meses que marcam o outono e o início do inverno brasiliense, o número de casos de doenças respiratórias entre crianças geralmente aumenta. Em um levantamento realizado pela chefia da pediatria do Hospital Materno Infantil de Brasília (HMIB), foi verificado que só no mês de março 80% das internações foram causadas por complicações respiratórias. Um dos vírus menos conhecidos pela população é o vírus Sincicial.

O vírus Sincicial Respiratório (VSR) provoca doenças no trato respiratório como a pneumonia e a bronquiolite em crianças que estão mais suscetíveis a desenvolver as doenças. Segundo a chefe da Pediatria do HMIB, Julister Maia, a transmissão é feita pelo contato com pessoas doentes e começa de dois a oito dias após o contágio. As primeiras manifestações são: congestão nasal, irritação na garganta seguida por tosse e dificuldades respiratórias. As crianças menores podem também apresentar febre.

“Como esse vírus pode provocar casos graves, devemos focar na prevenção”, relata Julister. A pediatra explica que adultos que tenham crianças com menos de um ano de idade devem adotar medidas preventivas como higienização das mãos, evitar, nessa época do ano, ambientes com grande aglomerado de pessoas como festas infantis, shopping, igreja e pronto socorro pediátricos.

A confirmação da contaminação pelo vírus Sincicial só pode ser comprovada por meio de exame laboratorial chamado painel viral. Para as crianças que já apresentam os sintomas típicos é importante que os pais procurem o pediatra nos postos de saúde. Muitos oferecem atendimento por ordem de chegada no sistema agenda aberta.

“Entendemos a grande preocupação dos pais, mas deve ser frisado que lugares como o pronto socorro, onde há um acúmulo de crianças com doenças mais graves, pode piorar o estado da criança”, comenta Julister.

Números de atendimentos no DF
Comparando o primeiro trimestre deste ano com os anos anteriores é possível notar que houve uma diminuição no número de atendimentos nas emergências dos hospitais por problemas respiratórios. Em 2013 foram realizados 8.997 atendimentos, em 2014 foram 6.417 e em 2015 este número caiu para 5.681. O maior registro de atendimentos ocorre entre crianças de 0 a 9 anos.

Medidas de prevenção
• Lavagem e higienização freqüente das mãos;
• Utilizar lenço descartável para higienização nasal;
• Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
• Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
• Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
• Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
• Manter os ambientes bem ventilados;
• Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de influenza;
• Evitar sair de casa em período de transmissão da doença;
• Evitar aglomerações e ambientes fechados;
• Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos.